Heloísa Helena participa de romaria e volta a criticar Lula

A senadora Heloísa Helena, candidata do PSOL à Presidência da República, fez campanha este domingo em Tamarana, Norte do Paraná. Ela participou da 21ª Romaria da Terra do Paraná, mobilização da Igreja Católica organizada pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) que alerta para a pobreza no campo. No entorno de Tamarana frutificam assentamentos e acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). A candidata afirma que invasões não ocorrerão no seu governo. "Só existe ocupação de terra quando existe governo incompetente, irresponsável, insensível e incapaz de cumprir a Constituição e fazer a reforma agrária. Por isso existe a violência no campo. Nós seremos capazes de discutir com os movimentos sociais uma política clara de reforma agrária no Brasil", afirmou.Os ataques ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva continuaram quando a candidata falou a respeito dos benefícios concedidos por meio de programas sociais do governo federal. "Infelizmente o presidente Lula, do alto da sua arrogância e covardia, não foi ao debate (na TV Bandeirantes). Ele tinha a obrigação de ir, até porque, os moleques de recado, que são os ministros, saíram a espalhar entre os pobres que eu ia acabar com Bolsa Família", acusou. Segundo informações do partido, a senadora não estava em campanha, teria ido fazer uma visita. De fato, Heloísa Helena recusou o convite para discursar à multidão, mas não se furtou um minuto sequer ao corpo-a-corpo com os eleitores. A CPT afirma que 15 mil pessoas foram à romaria, enquanto a Polícia Militar estima 6 mil.A candidata chegou à concentração da romaria às 8 horas e conseguiu andar pouco mais de 300 metros durante a manhã. Cercada de universitários e populares, Heloísa Helena recebeu e distribuiu afagos. Durante a tarde ela gravou entrevista numa afiliada da TV Bandeirantes e, no começo da noite ela seguiu para São Paulo.Tamarana tem 10,2 mil habitantes e um dos índices de desenvolvimento humano (IDH) mais baixos do Paraná: 0,683. Mais da metade da população rural, 69%, vive abaixo da linha da miséria - dados do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.