Heloísa Helena quer disputar segundo turno com "rei da abobrinha"

A candidata do PSOL à presidência da República, senadora Heloísa Helena (AL), fez comício nesta quinta-feira, 17, no centro de Manaus, em cima de um caixote trazido às pressas por feirantes. "Sei que estou vários pontos (nas pesquisas) acima do ´picolé de chuchu´ (Alckmin) aqui no Amazonas. Mas se cada um de vocês conseguirem com seus amigos mais dois votos, nós vamos para o segundo turno contra o ´rei da abobrinha´ (Lula), sua majestade barbuda", ironizou no discurso de cerca de 10 minutos.A candidata afirmou que os amazonenses não deveriam ter medo, porque ela iria manter o Bolsa-Família e a Zona Franca de Manaus. "Quem é de bem não tem que ter medo de mim, só banqueiro, parasita e político ladrão".Segundo a senadora, o governo federal adiantou, "por motivos eleitoreiros", a discussão sobre a possível perda de exclusividade da Zona Franca de Manaus para a produção da TV Digital para Minas Gerais e o Rio Grande do Sul. "Mas acredito que nenhum Estado brasileiro deva depender de uma só área econômica para sobreviver. No Amazonas, tem de ser mais explorada a biodiversidade, o potencial turístico, a pesquisa em ciência e tecnologia", afirmou em entrevista antes do discursoA candidata afirmou ainda que iria priorizar no seu projeto para o Estado a intensificação do monitoramento dos cerca de 12 mil quilômetros de fronteira. "Hoje o Brasil não é só corredor, é produtor, consumidor e base de narcotraficantes, mas as fronteiras precisam ser melhor aparelhadas".Sem-terras e onça-pintadaAntes do comício, a senadora visitou uma invasão de terras, a Nova Vitória, na zona leste da capital, onde moram cerca de 15 mil famílias. As terras são de propriedade da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e há dois anos são alvo de brigas judiciais na tentativa de tirar os ocupantes. Lá, a senadora falou que iria rever toda a política de reforma agrária no País.A candidata também visitou o zoológico do Exército. Disse que queria conhecer onças. Próximo à gaiola do gavião-real, ouviu atenta a explicação de que o animal só tinha uma companheira na vida e comentou: "Tão diferente do macho humano, que está longe desse sentimento de fidelidade".Passando pelas gaiola dos tucanos, brincou com os fotógrafos, escondendo o rosto. Ao chegar à ala de onças, a onça-pintada macho Simba, de dois anos, aceitou os carinhos da senadora, que se disse uma admiradora de felinos.Ao ser informada pela reportagem que técnicos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) tinham batizado uma jaguatirica que está sendo tratada com acupuntura com seu nome porque a felina seria muito brava, a senadora riu. "Ah, que honra, queria conhecer essa. E a gente não tem em comum só a braveza, mas também a acupuntura, que uso para tratar problemas no estômago".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.