Heloísa Helena quer proibir Lula e Alckmin de usar seu nome em campanhas

A candidata derrotada à Presidência da República pelo PSOL, senadora Heloísa Helena (AL), vai entrar com uma representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) solicitando que nem a campanha do tucano Geraldo Alckmin nem a de Luiz Inácio Lula da Silva usem seu nome. "Vou pedir ao TSE as diligências necessárias para impedir o uso indevido do meu nome", afirmou nesta terça-feira Heloísa Helena.O site da campanha de Alckmin colocou na segunda-feira no ar o adesivo "Sou Heloísa, voto em Geraldo. Presidente. 45". "É um adesivo que tem no carro do João Fontes", explicou a senadora. O deputado João Fontes (PDT-AL), que não conseguiu se reeleger, já anunciou apoio à candidatura de Alckmin. Por sua vez, o site da campanha à reeleição de Lula também usa o nome de Heloísa Helena. "Ficam colocando cartas de militantes do PSOL dizendo que vão votar no Lula", contou a senadora. "Por isso vou pedir ao TSE para tirar do ar qualquer referência ao PSOL ou ao meu nome que possa passar a impressão de apoio", explicou. Mas não são apenas as campanhas eleitorais dos presidenciáveis que estão dando dor de cabeça à senadora. Heloísa Helena enfrenta dificuldades no âmbito familiar. Ela reconheceu que sua mãe, dona Helena, e seu irmão, Hélio, querem votar em Geraldo Alckmin. Os familiares da senadora ficaram traumatizados com o processo de expulsão de Heloísa Helena do PT e, em represália, pretendem votar no tucano. "No dia da eleição vou tentar levar a minha mãe para o interior. Ela vota na capital. Mas não sei se vou conseguir porque ela é muito teimosa", disse Heloísa Helena que, assim como a mãe, vota em Maceió.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.