Heloísa ironiza mercado e não nomeia possíveis ministros

A candidata do PSOL à Presidência da República, senadora Heloísa Helena (AL), afirmou nesta sexta-feira, 25, em sabatina promovida pelo Grupo Estado, que não acredita em evasão de capital e de empresários do País, numa referência à sua plataforma de governo. "Vão nada", disse.Contudo, ela acha que esta é uma preocupação correta das pessoas de um modo geral. "Dinheiro é um bicho arisco e é por isso que a gente tem de treinar melhor o bicho arisco, não pode deixar ele correr muito solto". E continuou: "Quem quiser investir no Brasil para gerar emprego e ajudar na economia local, esse será muito bem vindo, quem quiser parasitar o Brasil, este escolherá outro lugar do mundo e não achará."Ainda falando sobre o tema, disse: "eu acho super engraçado essa coisa de mercado, é a maior pose, aquele negócio que eu brinco de que é a maior cara de conteúdo que eles ficam". E continuou nas críticas: "Bota aquela maior pose, aquele ar de racionalidade, um todo, qualquer boato corre tudo para um lado, criam boatos, então não tem nada de racionalidade lá, objetivamente não tem." Depois das críticas ao mercado, ela falou que seu eventual governo terá regras fixas, sem surpresas, e com ganhos mais equânimes.EducaçãoAo falar das propostas para a Educação, a senadora destacou que não vai acabar com o ProUni "como afirmaram os moleques de recado (do presidente Lula)", mas ressaltou que com os mesmos recursos destinados a este programa seria possível gerar não 200 mil bolsas, mas cerca de 1,5 milhão de novas vagas nas universidades públicas "Mesmo com a grave crise, as universidades públicas são as únicas que ainda produzem ciência, tecnologia e pesquisa," emendou. E disse que daria prioridade ao ensino básico.OrçamentoA senadora defendeu também o orçamento impositivo, no qual a construção da peça orçamentária passaria a ser partilhada com a sociedade. "Mas isso não significa um engessamento completo, porém diminuiria a promiscuidade da relação do executivo e legislativo."MinistrosA senadora não quis apontar nomes para a composição dos ministérios caso seja eleita, mas afirmou que há "muitos quadros técnicos qualificados" para participar da estrutura pública. "Honestidade é obrigação", alfinetou a senadora, que criticou "as gangues partidárias".Heloísa Helena afirmou que quer trabalhar muito na Presidência da República. "Eu quero ser parte de um projeto", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.