Heloísa não quer apoio de PSDB e PFL num segundo turno

A candidata do PSOL à Presidência da República, senadora Heloísa Helena (AL), disse não acreditar que receberá apoio de partidos como o PSDB e o PFL se for para o segundo turno. "Estou doida para ir para o segundo turno porque vai ser lindo vê-los no mesmo palanque, todos defendendo o capital financeiro", afirmou, em sabatina promovida pelo Grupo Estado. Questionada sobre se aceitaria o apoio de algum partido, a senadora respondeu: "Não me joguem uma praga dessas de ter que tomar uma decisão como essa".A candidata afirmou que tem recebido nas ruas o apoio até mesmo de pessoas que se dizem "reacionárias" em relação à visão da senadora sobre política econômica. "Elas dizem que é chegada a hora tentar uma coisa diferente; é chegada a hora de mudar esse tipo de administração pública. Há muitas pessoas que dizem isso, que do jeito que está não dá para continuar", disse.Heloísa Helena disse não ter condições de avaliar se seria mais difícil evitar uma vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no primeiro turno ou ganhar as eleições se chegasse ao segundo turno. "Não tenho muitas condições objetivas de responder a isso. Não vejo as pesquisas, trabalho muito no campo da especulação", disse. "Recebo o apoio de muitas pessoas queridas, de crianças e idosos, mas às vezes fico pensando que meu eleitor é mais explícito e claramente apaixonado e que isso pode não significar necessariamente um número maior de votos."A candidata admitiu que a campanha tem sido difícil. "Eles têm muitas articulações regionais, muito dinheiro, muita estrutura nos municípios e Estados", comparou a senadora, que disse não receber doações de empresas por uma questão de coerência - segundo ela, sua campanha recebe apenas doações de pessoas físicas. "Não necessariamente se controla o coração e a mente de cada brasileiro, senão minha candidatura não teria chegado onde chegou. Mas não é a mão de uma mulher, mãe e trabalhadora que vai arrancar as cercas dos currais eleitorais deste País", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.