Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Henry Sobel: autoridades, lideranças religiosas e famosos lamentam morte de rabino

Rabino e defensor dos direitos humanos morreu nesta sexta-feira, 22, aos 75 anos; 'um dos grandes heróis', descreveu filho de Vladimir Herzog

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2019 | 15h24

SÃO PAULO - Autoridades, organizações religiosas, instituições de direitos humanos e famosos lamentaram a morte do rabino Henry Sobel, de 75 anos, nesta sexta-feira, 22. Ele se destacou como uma das principais lideranças religiosas críticas à ditadura militar, especialmente na década de 70, quando defendeu que Vladimir Herzog fosse enterrado fora da ala dos suicidas, contrariando a versão oficial sobre a morte do jornalista.

Filho do jornalista, Ivo Herzog, divulgou nota em que chama o rabino de um dos "grandes heróis" nacionais. "Foi a 1ª pessoa, representando uma instituição, que denunciou o assassinato do meu pai, poucas horas depois do ocorrido. Junto com D. Paulo Evaristo Arns e James Wright, corajosamente, promoveu e esteve presente no ato ecumênico em memória de meu pai."

"Quebrando protocolos do judaísmo, enfrentando resistência dentro da comunidade judaica, foi um dos protagonistas que abriram caminho para o fim da ditadura no Brasil. Se meu pai foi uma das vítimas daquele período, Henry Sobel foi um dos grandes heróis. Registro aqui minha homenagem e saudades desta pessoa que faz parte da minha vida", escreveu.

Autor do prefácio da autobiografia do rabino, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) lamentou a notícia. "Henry Sobel, que acaba de falecer, foi um bravo na hora difícil, quando vigia o autoritarismo. Expresso por isso meu pesar."

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prestou solidariedade aos familiares e amigos do rabino. "A contribuição de Sobel para a redemocratização e o diálogo entre religiões no Brasil foi incomensurável", postou no Twitter. 

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também se manifestou, dizendo que o "Brasil perde um homem corajoso". "O rabino Henry Sobel defendeu os direitos humanos e, na ditadura, quando mataram Herzog, afrontou seus algozes, com uma cerimônia fúnebre na parte central do cemitário israelita, recusando assim a mentira de que o jornalista tinha se suicidado."

O governador João Doria (PSDB) descreveu o líder religioso como "um grande defensor dos direitos humanos". "À família, amigos e comunidade judaica, meus profundos sentimentos de pesar", publicou nas redes sociais. O ex-governador José Serra (PSDB) também se manifestou nas redes sociais, chamando o rabido de "uma das mais importantes vozes e figuras na luta contra a tortura no regime autoritário". "Teve papel fundamental no esclarecimento da morte do jornalista Vladimir Herzog."

Davi Alcolumbre (DEM), presidente do Senado, chamou Sobel de "um notável porta-voz de nossa comunidade judaica no Brasil" , que "estabeleceu uma ponte entre as religiões cristãs e o judaísmo". "Nós, judeus, perdemos um grande líder espiritual. Seremos eternamente gratos  a dedicação dele à nossa comunidade."

Em nota, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) reiterou que Sobel foi "um protagonista histórico na defesa dos direitos humanos no Brasil" e "uma das grandes lideranças religiosas" do País. "Sobel estabeleceu diálogo e construiu pontes entre o judaísmo e as demais religiões, participando de inúmeros cultos e eventos ecumênicos. Foi também representante da Conib para o diálogo inter-religioso. Sua atuação ajudou a inserir a comunidade judaica em um outro patamar na vida nacional."

O Congresso Judaico Latino-Americano lembrou de Sobel como o alguém sempre esteve "atuando na luta pelos direitos humanos, contra o antissemitismo, toda forma de discriminação e, sobretudo, a melhoria do mundo, vemos calar, hoje, essa voz firme que ecoava não apenas na comunidade judaica, mas na sociedade em geral".

A ex-ministra Marina Silva (Rede) ressaltou a atuação do rabino durante a ditadura militar. "Peço a Deus que conforte os familiares e amigos do rabino emérito Henry Sobel, que junto com Dom Paulo Evaristo Arns rejeitou a versão oficial sobre a morte do jornalista Vladimir Herzog durante a ditadura. Uma voz corajosa na defesa dos direitos humanos."

Já o PSOL divulgou uma nota lamentando a morte de Sobel, a quem chamou de alguém 'imprescindível na luta pela democracia, se recusou a enterrar Vladimir Herzog como suicida e organizou o ato ecumênico da Praça da Sé em 1975, que iniciou a derrocada da ditadura militar"." Sobel, presente!", finalizou a postagem.

O apresentar Luciano Huck também se manifestou nas redes sociais: "Triste notícia. O rabino Henry Sobel esteve presente em momentos importante da minha vida. Se foi uma voz firme e potente na defesa dos direitos humanos no Brasil. Um homem de diálogo, construtor de pontes religiosas e ideológicas."

O escritor Laurentino Gomes lembrou de uma experiência que teve com o rabino. "Certa vez, e lá se vão uns 25 anos, tive o privilégio de me sentar ao lado do rabino Henry Sobel em uma viagem a Nova York a bordo da antiga Varig. Conversamos horas a fio. Foi dos encontros mais iluminados desta minha já longa jornada. Sou grato pela vida dele. Sentirei saudades."

O ator Dan Stulbach também relatou momentos que teve com o rabino, a quem chamou de um homem "único". "Eu o imitava, todos o imitavam, e ele me dizia 'a cópia é melhor que o original', e ríamos, com seu sotaque. 'tem razão, você me imita muito bem', eu respondia, com o mesmo sotaque. Era meu personagem preferido, e mais, eu o admirava", escreveu. "Um representante do diálogo, defensor da liberdade, um homem de grande inteligência e generosidade, judeu do seu tempo."

Tudo o que sabemos sobre:
Henry Sobel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.