História do canibal alemão deve se transformar em livro e filme

O alemão que confessou haver matado um homem e comido sua carne recebeu ofertas pelos direitos autorais para um filme e está escrevendo um livro sobre sua façanha, revelou hoje seu advogado.?Estamos nas conversas preliminares sobre os direitos para o filme?, disse o advogado Harald Ermel aos jornalistas, diante da corte onde Armin Meiwes, de 42 anos, está em julgamento por assassinato desde a semana passada. Ele não quis, porém, dar mais detalhes.A vítima de 42 anos, que Meiwes encontrou na internet, sofreu uma morte dolorosa, testemunhou um médico diante do juri hoje. Meiwes apunhalou Bernd Juergen quando ainda estava vivo, garantiu o médico Manfred Risse, embora a defesa insista em que ele já estava morto.No vídeo que Meiwes fez do assassinato, a vítima exibe ?sinais vitais de vida? depois do golpe, virando a cabeça de um lado para o outro, enquanto o sangue jorrava de sua garganta, explicou o médico.Meiwes afirmou, numa confissão detalhada, em de dezembro, quando iniciou-se o julgamento, que sua vítima queria ser esfaqueada até a morte depois de tomar um vidro de remédio para resfriado para perder a consciência. Ele disse que golpeou Brandes na manhã seguinte, dia 10 de março de 2001, acreditando que o outro já estava morto.Risse disse que Brandes consumiu a medicação com meia garrafa de bebida alcóolica e 20 comprimidos para dormir, mas tudo isso ?não poderia amortecer a dor de sua morte?. A acusação assegura que o assassinato foi sexualmente motivado e propôs sentença de homicídio, embora concorde com que o assassino tinha o consentimento da vítima. Meiwes pode receber a sentença máxima de prisão perpétua, se for considerado culpado.O advogado de Meiwes argumenta que o homicídio de Brandes foi uma forma de morte de misericórdia, o que acarretaria no máximo uma sentença de cinco anos. O veredicto deve sair em fevereiro.A polícia foi no encalço de Meiwes e prendeu-o em dezembro do ano passado, depois que um estudante austríaco alertou-a sobre um anúncio que Meiwes colocara na internet, procurando por um homem que quisesse ser morto e comido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.