Holandês acusado de ter matado o filho está em situação irregular no Brasil

Visto de Stefan Smith está vencido há um ano; garoto de 3 anos não tinha certidão de nascimento

Lauriberto Braga - O Estado de S.Paulo,

11 Junho 2013 | 18h40

FORTALEZA - O holandês Stefan Smith, acusado de ter matado o filho de três anos em um flat de luxo em Fortaleza, no final de semana passado, está em situação irregular no Brasil e deve ser deportado para Holanda. Ele responderá pela morte do garoto, ocultação de cadáver e maus tratos. O visto de Smith está vencido há um ano. Com a ajuda da família, ele pagava há cinco meses o apartamento onde morava com a mulher e os dois filhos.

Nesta terça-feira, 11, a polícia cearense apresentou para a imprensa uma caixa plástica, sacos de areia, lona e fita adesiva. Segundo a polícia, o holandês pretendia enterrar o filho com o material. O menino sequer tinha certidão de nascimento. Em entrevista nesta terça-feira, na cadeia, em Fortaleza, o pai disse que o filho morreu por deficiência respiratória. "Eu não matei meu filho. E eu queria uma caixa decente para enterrá-lo. Não é verdade que matei, mas o mundo é assim, estão me condenando".

Também está presa a mãe da criança, a cearense Cláudia Marques da Silva. A polícia suspeita que ela ajudou o holandês a matar a criança e ainda ferir o filho mais velho de cinco anos. O filho que sobreviveu está numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Albert Sabin, em Fortaleza. Ele apresentou deficiência respiratória e está cheio de hematomas.

Na entrevista que concedeu hoje, na prisão, Stefan Smith, afirmou que "de repente, o meu filho ficou durinho porque tinha problemas de respirar". A polícia cearense informou que a Embaixada do Reino dos Países Baixos está acompanhando o caso e que vai respeitar o processo jurídico brasileiro. O côsnul holandês visitou hoje Smith e disse que a família dele na Holanda está ciente da situação.

Mais conteúdo sobre:
HolandêsStefan Smith

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.