Homem considerado mais perigoso de Minas é preso no Paraná

Felicinho seria um dos maiores traficantes mineiros e líder de quadrilha responsável por cerca de 50 mortes

Fabiana Marchezi, do estadao.com.br,

23 de novembro de 2007 | 18h53

A Polícia Civil do Paraná prendeu na quarta-feira, 14, Felício da Cruz Júnior, de 42 anos, conhecido como Felicinho, considerado o traficante mais perigoso de Minas Gerais. Ele é apontado como um dos supostos líderes de uma quadrilha responsável por mais de 50 mortes na região de Teófilo Otoni, em Minas.  De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SSP-PR), Cruz era procurado pela polícia mineira há três anos e foi preso por policiais da 6.ª Subdivisão Policial em Foz do Iguaçu. Ainda segundo a SSP, ele foi transferido na manhã desta sexta-feira para Belo Horizonte, em Minas.  "Esta prisão foi mais um excelente trabalho realizado pela polícia do Paraná, que tirou de circulação um dos maiores traficantes do País. O apoio e a parceria que há entre as polícias são muito positivos e beneficiam diretamente a população de bem, que ganha sempre mais segurança. O resultado não poderia ser melhor", ressaltou o secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari. Segundo o delegado-chefe da 6.ª Subdivisão, Márcio Amaro, a policia de Minas Gerais entregou um dossiê informando que Cruz estava envolvido em mais de 50 homicídios e liderava um grupo formado por cerca de 200 pessoas. "Cruz seria o líder do tráfico na rota São Paulo, Minas Gerais, Bahia e faria parte de uma facção criminosa de São Paulo", contou o delegado.  Ainda segundo SSP, além de Cruz, outras duas pessoas foram detidas, mas só ele foi transferido para Belo Horizonte. Cruz é acusado de tráfico de drogas, associação ao tráfico e lavagem de dinheiro, além de alguns homicídios. "Vieram dois policiais da Delegacia de Antitóxicos de Belo Horizonte e o delegado Jéferson Botelho, daquela delegacia fazer a transferência do acusado", completou Amaro.

Tudo o que sabemos sobre:
Tráfico de drogasMinas GeraisParaná

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.