Homem dado como morto reaparece em MG

Considerado morto desde o dia 20 de novembro do ano passado, o lavrador Sebastião Fidélis, de 43anos, reapareceu no último sábado para espanto de seus familiares e moradores do município de Campo do Meio, no sul de Minas Gerais. O trabalhador rural, que tem uma sepultura com o seu nome no cemitério da cidade e atestado de óbito, terá agora de provar na Justiça que está vivo.Familiares dizem que Fidélis tinha o hábito de desaparecer periodicamente. Na última vez, ficou ausente por mais de oito meses. A família então suspeitou de que ele estivesse morto. À sua procura, há cerca de dois meses, os familiares foram informados de que ele estaria internado no hospital São Vicente de Paula, na cidade vizinha de Campos Gerais.Uma marca na cabeça e uma cicatriz no braço direito do paciente ? sinais comuns também em Fidélis ? serviram para reforçar a confusão.A mulher do desaparecido, Nicéia, reconheceu o homem internado como seu marido um dia antes de ele morrer. O atestado de óbito indica que traumatismo craniano e pneumonia foram as causas da morte do desconhecido.Segundo o médico Ricardo José Nascimento, secretário de Saúde de Campos Gerais, o quadro do paciente tido como Fidélis era bastante grave. O médico se lembra de que ele não portava qualquer tipo de documento que o identificasse. Após falecer na madrugada do dia 20, o homem foi velado e enterrado no cemitério municipal de Campodo Meio.Todos os parentes já se conformavam com a notícia do falecimento do lavrador, quando, há três dias, o suposto morto reapareceu na cidade. Ele foi encontrado em Alfenas (MG) por um morador, amigo da família. Fidélis disse que esteve durante todo esse tempo em São Paulo e Campinas. A mãe,Lázara Alexandrina, ficou emocionada ao rever o filho, dado como morto.De acordo com Ricardo Nascimento, a Secretaria de Saúde de Campos Gerais e o hospital, junto com os familiares de Fidélis, vão entrar na Justiça com uma ação cível pedindo a anulação do atestado de óbito. O lavrador terá de comparecer ao Instituto de Identificação da região para fazer uma contraprova de suas impressões digitais.?É para definir se ele é quem diz ser. Para efeitos legais, isso aí é necessário?,observa o médico. Um novo atestado de óbito deverá ser lavrado para o corpo que foienterrado no cemitério de Campo do Meio.

Agencia Estado,

07 de janeiro de 2003 | 17h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.