Homem diz que matou sindicalista no Pará para roubar TV

A polícia de Altamira, no sudoeste do Pará, prendeu hoje Júlio César dos Santos Filho, acusado de matar com um tiro na boca, na madrugada de sábado passado, o sindicalista Ademir Alfeu Federicci. Ele confessou o crime e apontou um comparsa, conhecido por Daniel, que teria entrado na casa para roubar um televisor. Júlio contou ao delegado Roberto Teixeira que Ademir reagiu ao assalto, obrigando-o a matá-lo.Daniel, que está foragido, teria se escondido na cidade de Macapá (AP). Com base no depoimento de Júlio, a Polícia Civil considera o crime desvendado, mas as entidades sindicais e movimentos sociais paraenses não acreditam na versão de assalto seguido de morte.Para eles, o que houve foi crime de encomenda, em razão da postura da vítima em denunciar escândalos na Sudam, roubo de madeira e de tomar posições contrárias à construção de hidrelétricas na Amazônia.Em Medicilândia, a 150 km de Altamira, policiais exumaram o corpo de Federicci. A bala retirada do crânio de Ademir será analisada. Nesta sexta-feira, em Altamira, haverá manifestação de protesto pelo sétimo dia da morte do sindicalista. Cerca de sete mil pessoas estão sendo esperadas. O comércio fechará as portas e não haverá aulas nas escolas do município.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.