Homem é espancado até a morte após assaltar comércio no Maranhão

Ele foi perseguido por moradores de povoado em Matinha; entre janeiro de 2013 e julho de 2015, 30 foram linchados no Estado

Diego Emir, Especial para O Estado de S. Paulo

02 Setembro 2015 | 20h17

SÃO LUÍS - Um homem foi espancado até a morte na tarde de terça-feira, 1°, após roubar um comércio e matar um professor no povoado de Belas Águas, na zona rural da cidade de Matinha, no interior do Maranhão. Leonilson Alves, de 20 anos, tornou-se mais uma vítima da violência no Estado, que registrou 30 linchamentos de janeiro de 2013 a julho de 2015.

Segundo informações da polícia, dois bandidos invadiram o estabelecimento e roubaram R$ 3.225. No momento da fuga, Alves teria atirado em seu comparsa, ainda não se sabe se propositada ou acidentalmente. Alves ainda alvejou um professor durante a fuga. Os dois baleados morreram. O suspeito escapou mas foi perseguido por moradores da região até um matagal, onde foi espancado até a morte.

Em São Luís, cinco mortes foram registradas entre terça e quarta-feira, que se somam às 528 que ocorreram em 2015 na Região Metropolitana. Somente em agosto, foram registradas 94 mortes violentas, o que representa um crescimento de 77% em relação a julho. Os dados foram fornecidos pelo Centro de Operações de Segurança (Ciops). 

O governo do Estado contrapõe o argumento de crescimento de mortes apontando que, no acumulado de janeiro a agosto, houve uma queda de 10,82% no número de homicídios em comparação ao mesmo período do ano passado.

Estatística. O Maranhão apresentou, nos últimos anos, uma tendência de crescimento na ocorrência de homicídios. Entre 2002 e 2012, segundo o Ministério da Justiça, o Estado foi o que teve maior crescimento do número de mortos por arma de fogo, com 331% de crescimento em 10 anos. Essa estatística colocou o Maranhão no topo do ranking do crescimento desse tipo de crime no Brasil.

Mais conteúdo sobre:
Maranhão criminalidade linchamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.