DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

Homem é parado em blitz após tomar 36 cervejas em Natal

Ele contou que tinha começado a beber às 10 horas da quarta-feira e só parou às 20 horas, quando a cerveja acabou

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2016 | 16h20

SOROCABA - Flagrado em uma blitz da Lei Seca, na madrugada desta quinta-feira, 7, em Natal (RN), um cobrador de ônibus estranhou o resultado do teste de bafômetro que apontava 0,46 miligramas de álcool por litro de ar expelido. Ele disse aos policiais que havia tomado 36 latas de cerveja. De acordo com o capitão Isaac Oliveira, subcoordenador da Operação Lei Seca, o motorista chegou a ironizar o resultado, dizendo que o bafômetro estava estragado.

O homem contou que tinha começado a beber às 10 horas da quarta-feira e só parou às 20 horas, quando a cerveja acabou. Mesmo assim, pegou o carro e saiu pela cidade pois pretendia comprar mais bebida. Como o teor de álcool acima de 0,34 mg/l é considerado crime de embriaguez ao volante, o homem foi conduzido ao plantão da Polícia Civil. Depois de autuado, ele pagou fiança e foi liberado, mas teve o veículo e a carteira de habilitação apreendidos.

Na blitz, realizada no bairro Ponta Negra, 81 motoristas tiveram a carteira de habilitação recolhida e 15 veículos foram apreendidos. De acordo com o capitão, motoristas realizaram manobras perigosas para escapar da fiscalização. 

“Alguns davam ré na via movimentada e saíam pela contramão, colocando em risco da vida de outras pessoas”, disse. Em outra fase da operação, no domingo, 25 pessoas tinham sido autuadas. Um 'bugueiro' foi preso por transitar com turistas na orla sob efeito de álcool.

De acordo com Oliveira, os bloqueios vão continuar durante todo o verão, principalmente na área litorânea. As penalidades para o motorista flagrado sob efeito de álcool incluem multa de R$ 1.915,30, recolhimento da habilitação, suspensão do direito de dirigir por 12 meses e retenção do veículo, além de processo que pode resultar em detenção de seis meses a três anos.

Mais conteúdo sobre:
NatalPolícia CivilOliveira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.