Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Homem é preso por ejacular em passageira em voo de Belém a Brasília

Vítima estava dormindo na poltrona do avião no momento do ocorrido; suspeito negou a acusação e alegou que tossiu e cuspiu nela

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2017 | 19h36

SÃO PAULO - Um homem de 51 anos foi preso na manhã desta sexta-feira, 8, por se masturbar e ejacular em uma passageira durante um voo da Gol que fazia o trajeto entre Belém e Brasília. Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, a vítima, uma mulher de 32 anos, estava dormindo no momento do ocorrido.

+++ Dois homens são presos por ejacular em passageiras de ônibus em SP

A passageira relatou à polícia que estava sentada na poltrona do corredor, ao lado do homem, e que pegou no sono após a decolagem do avião do Aeroporto Val-de-Cans, na capital paraense. Com 30 minutos de viagem, ela acordou com o suspeito puxando a sua mão, sem saber o que estava acontecendo. Na sequência, percebeu que sua mão estava suja, com cheiro característico de ejaculação.

+++ Comissão aprova pena de até 6 anos para agressão sexual no transporte

De acordo com a polícia, uma confusão se iniciou dentro da aeronave. Alguns passageiros tentaram agredir o suspeito, a tripulação interveio e imobilizou o homem. A vítima foi acomodada pelos comissários da Gol em outro assento para terminar a viagem.

+++ Jovem é vítima de estupro à tarde na Avenida Paulista

A Polícia Federal em Brasília foi comunicada sobre a ocorrência pelo comandante do voo. Após o avião pousar no Aeroporto Presidente Juscelino Kubitschek, os policiais federais detiveram o suspeito por contravenção de importunação ofensiva ao pudor e o levaram à 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul).

O homem negou à Polícia Civil as acusações. Em depoimento, ele afirmou que no momento da ocorrência estava sonolento e que, por isso, começou a tossir e cuspir em cima da vítima até ser agredido por outra passageira. O suspeito foi liberado após assinar um termo circunstanciado.

 

A Gol afirmou, em nota, que "repudia veementemente qualquer manifestação de violência como a ocorrida na manhã desta sexta-feira" e que neste momento a prioridade da companhia é prestar total assistência à passageira e colaborar com as autoridades.

"A Gol informa ainda que está tomando todas as medidas cabíveis para buscar formas de banir definitivamente o passageiro de todos os voos da empresa", declarou a companhia aérea.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.