Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Homem é preso suspeito de matar ex-mulher e queimar corpo em Hortolândia

Acusado de feminicídio, ele teve o pedido de prisão provisória decretado pela Justiça e foi levado para o CDP de Americana

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2017 | 09h31

SOROCABA - Um homem foi preso nesse domingo, 22, suspeito de matar a ex-mulher e atear fogo no carro em que estava o corpo, em Hortolândia, interior de São Paulo. O veículo foi visto em chamas, de madrugada, na Vila São Pedro e moradores acionaram a Polícia Militar.

Os policiais encontraram o corpo de Adriana Aparecida Bueno, de 43 anos, carbonizado no porta-malas do carro. Após apurar o endereço de registro do veículo, os policiais foram à casa e verificaram que o dono do carro era Antonio Cesar Castilho, de 41 anos, ex-marido da vítima.

+++ Um terço das mães que é vítima de feminicídio deixa ao menos 3 filhos

Na abordagem, os policiais verificaram que o homem tinha ferimentos no braço e arranhões no rosto. Ele não demonstrou surpresa com a localização do corpo da ex e reagiu de forma fria, segundo os policiais. Ao se justificar, ele disse que estava separado da mulher há cerca de um ano, mas continuavam morando na mesma casa porque o casal não chegava a um acordo sobre a divisão do imóvel.

Interrogado acerca dos ferimentos, o homem alegou que os arranhões eram o resultado de uma briga que teve com uma amante de Sumaré, mas negou-se a informar nome e endereço da mulher para a confirmação do álibi. 

Uma filha do casal, de 14 anos, contou que, ao sair de casa na noite de sábado, o pai não tinha os ferimentos. Disse ainda que, quando saía, a mãe levava a chave do quarto, mas naquela noite ela encontrou a chave no sofá. Em estado de choque, a menina foi levada para casa de parentes.

De acordo com a Polícia Civil, a suspeita é de que os arranhões foram causados pela vítima, ao tentar escapar do agressor. Acusado de feminicídio, Castilho teve o pedido de prisão provisória decretado pela Justiça e foi levado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Americana. Ele não tinha advogado constituído até a manhã desta segunda-feira, 23. O corpo da mulher, que passou por perícia no Instituto Médico Legal (IML), foi sepultado nesta manhã, no Cemitério Municipal de Sumaré.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.