Homem mata ex-mulher feita refém e depois se suicida no RS

Outro caso semelhante teve final feliz, na noite de segunda-feira, 15, na região metropolitana de Porto Alegre

Ricardo Valota, da Central de Notícias,

18 de fevereiro de 2010 | 02h55

Terminou de forma trágica, na noite desta quarta-feira, 17, um sequestro com cárcere privado na cidade de Tenente Portela (RS), no extremo norte gaúcho, a 480 quilômetros de Porto Alegre.

 

Armado, Otávio Dornelles, de 45 anos, dominou a ex-mulher, a diarista Arlete Nair da Silva, de 34 anos, no início da manhã, quando ela chegava ao local de trabalho, no bairro Operário.

 

A vítima foi obrigada a seguir com Dornelles até a casa dele, no mesmo bairro, onde, por volta das 22 horas, Otávio matou Arlete com dois tiros e se matou, com um tiro na cabeça.

 

Policiais do 7º Batalhão da Brigada Militar foram acionados somente às 19 horas. Durante as negociações, o acusado, aparentando relativa tranquilidade, afirmava que iria se matar.

 

Os policiais, ao ouvirem o primeiro disparo, feito contra a vítima, invadiram a casa, mas antes de alcançarem Dornelles, ele conseguiu disparar outras duas vezes, contra Arlete e contra a própria cabeça.

Otávio estaria inconformado com o fim do casamento. A diarista morreu no local. Ele ainda chegou a ser levado ao hospital, mas acabou morrendo.

 

Final feliz

 

Na noite de segunda-feira, 15, em Canoas, região metropolitana de Porto Alegre, o vigilante Rodrigo Luciano Luz, de 32 anos, liberou a ex-mulher Josiane Pontes, 29 anos, e se entregou, depois de quase três dias mantendo-a refém na casa dela.

 

Rodrigo foi autuado por cárcere privado, tentativa de homicídio, porte ilegal de arma e receptação de veículo, sendo encaminhado ao Presídio Central de Porto Alegre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.