Homem pode ser Carlinhos, desaparecido desde 1973

A polícia do Rio acredita que está perto de solucionar um caso de desaparecimento que dura mais de 30 anos. Carlos Alberto de Souza, de 38 anos, morador de Bauru, no interior de São Paulo, pode ser Carlinhos, ou Carlos Ramires da Costa, seqüestrado em 1973, quando tinha dez anos. Um exame de DNA irá tirar a dúvida.Localizado graças a uma carta anônima recebida há um ano pelo serviço S.O.S. Criança Desaparecida, da Fundação da Infância e Adolescência, Carlos Alberto guarda semelhanças físicas com Carlinhos: tem uma cicatriz no lado direito do rosto, perto do nariz, no mesmo lugar onde o menino tinha uma verruga (que pode ter sido retirada), e outra no joelho, também semelhante à do garoto. Os olhos, tom de pele e dos cabelos também são parecidos.Outra coincidência é o fato de Carlos Alberto desconhecer como foi sua infância. Ele diz que não ter muitas lembranças - o que pode ser um sinal do trauma provocado pelo seqüestro. Afirma também que nunca recebeu da família que o criou informações sobre seu passado. Os avós maternos ficaram com Carlos Alberto depois de ele ter sido abandonado pela mãe. O pai só lhe foi apresentando quando o rapaz tinha 17 anos.Luiz Henrique Oliveira, coordenador do S.O.S Criança Desaparecida, disse que ele relatou se lembrar de ter feito uma viagem longa de caminhão, quando era criança. Outra recordação é de ter tido os cabelos pintados de cor escura pela mãe na adolescência.A dona-de-casa Maria da Conceição Ramires da Costa, mãe do menino desaparecido, está quase certa de que, dessa vez, irá realizar o sonho de reencontrar o filho. Ela já passou por situações frustantes, quando foi apresentada a dois rapazes que diziam ser Carlinhos. Os dois conversaram pelo telefone por duas vezes e tiveram grande afinidade. "Dessa vez foi bem mais forte. Senti uma coisa dentro de mim que não sei explicar. Conversamos como se nos conhecêssemos há anos", disse.O caso está sendo investigado há duas semanas pelo Serviço de Descoberta de Paradeiros da Delegacia de Homicídios, que não divulga detalhes sobre a apuração. O material para exame de DNA será colhido nos próximos dias e o resultado deverá sair em duas semanas.O sumiço de Carlinhos comoveu o País. No dia 2 de agosto de 1973, o garoto foi levado da casa dos pais, em Santa Teresa, zona sul do Rio, por um homem armado, que apontou a arma contra seu pescoço.Segundo o delegado Carlos Henrique Machado, da Delegacia de Homicídios, o crime prescreveu. Mas, se ficar comprovado que Carlos Alberto é Carlinhos, é possível que o inquérito policial, arquivado há anos, seja reaberto. A mulher que diz ser a mãe de Carlos Alberto já está identificada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.