Homem preso por engano é solto na Bahia

Romário Alves Maciel, de 25 anos, foi libertado na quinta-feira, quase três meses depois da prisão

Gheisa Lessa - estadão.com.br,

20 Julho 2012 | 11h59

São Paulo, 20 - Após ficar dois meses e 24 dias preso por engano no 18º Distrito Policial de Camaçari (BA), na região metropolitana de Salvador, Romário Alves Maciel, de 25 anos foi libertado na quinta-feira, 19, um mês depois da confirmação do engano por laudos periciais. Maciel foi detido pelo cumprimento de um mandado de prisão que culpa seu irmão, Rosemário Alves de Jesus Maciel, pelo roubo de um celular.

Uma mulher registrou queixa de ameaça contra Romário, na época seu companheiro, na Delegacia da Mulher, fato que deu início à série de erros. Segundo informações da delegada que acompanhou o caso, Thais Siqueira do Rosário, quando os agentes civis foram protocolar a queixa, foi localizado o mandado de prisão na ficha criminal do suspeito.

Agentes da delegacia, então, cumpriram o mandado e prenderam Romário Alves Maciel no dia 25 de abril. De acordo com Thais, Romário chegou a afirmar que não havia cometido o crime pelo qual estava sendo punido. A alegação de inocência foi considerada insuficiente pela delegada. "Todos os presos afirmam ser inocentes, então seguimos com o cumprimento", diz.

A polícia apenas passou a investigar que havia preso o homem errado quando o advogado de defesa, Marcio Magalhães, entrou com um pedido de exame de identificação criminal. "Neste primeiro exame, a pericia confirmou que homem que tínhamos prendido era o mesmo do mandado porque os nomes nos documentos eram os mesmos", explica Thais. 

No entanto, o irmão de Romário, Rosemário Alves de Jesus Maciel, real autor do crime, é analfabeto e assinou o processo com as digitais. O processo foi levado à delegacia por Magalhães e um segundo exame, desta vez comparando as digitais de Romário com as registradas no documento, foi solicitado. Segundo a delegada, confirmou-se, no dia 19 de julho,  que o homem detido não era o autor do crime.

"Não havia mais nenhum motivo para mantê-lo preso", conta o advogado Marcio Magalhães. "Foi um atraso burocrático. O Ministério Público da Bahia pediu todos os exames que já haviam sido feitos, sem nenhum fundamento, porque o laudo era conclusivo. O MP queria uma identificação criminal do irmão de Romário, que é um foragido. Mas como é que se faz um exame num foragido?", questiona Magalhães.

Segundo a delegada, se não houvesse o mandado de prisão registrado no nome de Romário, ele não teria sido detido. "Apenas com o registro de ameaça da mulher dele não dá para prender ninguém, a não ser que aconteça um flagrante. Como não houve flagrante, Romário foi preso apenas pelo roubo. Crime que ele não cometeu", afirma Thais.

"Ele ficou preso por uma sucessão de erros, inclusive da Justiça, que ficou sabendo que ele estava preso de ordem errada e não liberou o homem", argumenta o Magalhães. A defesa protocolou uma revisão criminal e pede que a Justiça, além de anular o processo, reconheça o erro cometido indenize o rapaz. 

Mais conteúdo sobre:
presobahiaenganohomemcamaçari

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.