EFE/Pepe Zamora
EFE/Pepe Zamora

Homem que matou família na Espanha recebeu conselhos pelo WhatsApp

Suspeito preso em João Pessoa conversava com François Patrick Nogueira Gouveia sobre como assassinar as vítimas e esconder os corpos

O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2016 | 13h00
Atualizado 28 Outubro 2016 | 14h49

JOÃO PESSOA - A Polícia Civil informou nesta sexta-feira, 28, que prendeu em João Pessoa um suspeito de ter colaborado com o brasileiro François Patrick Nogueira Gouveia, de 20 anos, no assassinato de quatro pessoas de uma mesma família na Espanha. O detido é amigo de Gouveia, assassino confesso do crime. Segundo a polícia, o suspeito deu conselhos em tempo real por meio do aplicativo WhatsApp de como cometer os homicídios e esconder os cadáveres.

"Durante a execução do crime, Patrick conversava por WhatsApp em tempo real com o suspeito preso na Paraíba e perguntava como podia atuar, como podia ocultar os corpos, o que fazer", afirmou o delegado Reinado Nóbrega.

A polícia não informou a identidade do novo suspeito, que foi preso nesta sexta-feira em João Pessoa e apresentado de costas à imprensa. 

Segundo a polícia, Gouveia enviou ao comparsa fotografias que tirou ao lado dos corpos descaracterizados das vítimas.

O detido afirmou à polícia que não sabia que estava cometendo crime ao ajudar o amigo. 

Crime. Os assassinatos de Marcos Nogueira, Janaína Américo e seus dois filhos, um de 4 anos e outro de 1, aconteceu em 17 de agosto em uma casa da cidade de Pioz, a 60 quilômetros da capital espanhola, Madri.

Semanas depois, a Guarda Civil espanhola encontrou os cadáveres esquartejados e espalhados em sacos de lixo que haviam sido abandonados no local do crime.

Sobrinho de Nogueira, Gouveia retornou à Espanha para confessar que cometeu os quatro assassinatos e se entregar às autoridades do país. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.