Renato Conde/Popular
Renato Conde/Popular

Homem que socorreu vítimas de ataque em São Luís tem alta

Após 14 cirurgias para minimizar lesões causadas pelas chamas que o atingiram, Márcio Ronny da Cruz virou referência pelo gesto heroico

Marília Assunção, O Estado de S. Paulo

11 de abril de 2014 | 17h55

GOIÂNIA - Após a última consulta médica em Goiânia, no final da tarde desta sexta-feira, 11, o entregador de frangos vivos Márcio Ronny da Cruz, 37 anos, está pronto para retornar para São Luís do Maranhão. Cruz sabe que sua vida não será mais a mesma. Após 14 cirurgias para minimizar lesões causadas pelas chamas que o atingiram quando salvava pessoas em São Luís, o trabalhador virou referência pelo gesto heroico.

Em entrevista ao Estado na tarde desta sexta-feira, 11, Cruz falou da saudade que sente dos cinco filhos - e sabe que o sentimento é recíproco. Desde que sofreu as queimaduras, fruto de um ataque criminoso comandado de dentro de presídios maranhenses, em 3 de janeiro, ele não vê as crianças, três meninas e dois meninos.

"Na hora não pensei duas vezes. Ouvi os gritos, apaguei o fogo do meu corpo (com água de uma poça de lama) e retornei ao ônibus. Não tenho arrependimento nenhum. Espero que sirva de exemplo", contou.

Para ele, a Justiça tem de agir contra os criminosos que comandaram os ataques, causando incêndios em ônibus como o que estava Cruz e mais cinco pessoas. "Espero que façam o correto sobre quem comandou tudo aquilo", diz o homem que ajudou a resgatar três pessoas em chamas.

Vítimas. Entre as vítimas em São Luís estavam a menina Ana Clara Santos Souza, de 6 anos, a quem o trabalhador se abraçou para abafar o fogo. Com 90% do corpo queimado, a criança não resistiu e morreu. As outras vítimas foram a mãe e uma irmã de Ana Clara. Cruz sofreu queimaduras em 72% do corpo. Ele foi transferido para Goiânia, onde há centros de referência no atendimento a queimados.

Ainda se restabelecendo, Cruz usa roupas especiais que cobrem o corpo todo. Nesta semana, ele visitou o Hospital Geral de Goiânia, primeiro lugar para onde foi levado - e onde foi submetido a três cirurgias. Queria agradecer as equipes de médicos e enfermeiros da unidade pública. Na ocasião, a irmã dele, Assunção da Cruz Nunes, educadora religiosa, agradeceu a acolhida.

A família aguarda que o governo do Maranhão envie as passagens aéreas para que Cruz possa retornar a São Luís neste final de semana. Ele terá de retornar para Goiânia uma vez por mês para a manutenção do tratamento. A sobrevivência do trabalhador, da mulher e dos cinco filhos também dependerá do governo do Maranhão. Cruz precisa de pelo menos oito meses de repouso, conforme orientação médica. "Vivemos do meu trabalho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.