Homem se mata após ter seu Fusca apreendido

Morreu hoje, na Santa Casa deCampo Grande, Marcelo Durigon, de 33 anos. Há uma semana, eleateou fogo no corpo para protestar contra a apreensão de seuFusca, que havia sido retido pela Polícia Militar de Jardim, noPantanal sul-matogrossense, a 220 quilômetros de CampoGrande. A apreensão Fusca ocorreu no dia 26, depois que, numa blitz detrânsito, os policiais notaram que o veículo não tinha maiscondições para trafegar naquela cidade. Decidiram, então, apreender o carro, mesmo sob os protestos domotorista, que ameaçava suicídio caso ficasse sem o veículo. Segundo testemunhas, os policiais não acreditaramno homem, dizendo-lhe que "fizesse o que quisesse". No entanto, as ameaças acabaram se concretizando. Revoltado, Durigon comprou cinco litros degasolina, subiu no capô do Fusca, despejou o combustívelsobre o corpo todo e tacou fogo. Foi removido para o hospital com 90% do corpo queimado, onde acabou morrendo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.