Homicídios praticados por policiais lideram denúncias em SP

Os assassinatos praticados pelos policiais civis e militares em todo o Estado, a qualidade no atendimento ao público e as infrações disciplinares foram as principais denúncias recebidas pela Ouvidoria da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo no terceiro trimestre em todo o Estado.No primeiro trimestre de 2001, a infração disciplinar liderou a estatística com 162 denúncias. No segundo trimestre, o homicídio praticado por policiais passou para primeiro lugar, com 193 casos.O mesmo crime continuou em primeiro lugar no terceiro trimestre, com 163 denúncias.A PM foi a mais criticada, com 390 queixas. As denúncias contra a Polícia Civil somaram 335. A maioria das reclamações contra as duas corporações partiu dos moradores da capital.O relatório da ouvidoria, divulgado no último sábado, aponta ainda o abuso de autoridade por policiais, pedidos de intervenção em pontos de drogas, agressões, falta de policiamento, tortura, corrupção, roubo de carga com a participação policial e negligência.Em São Paulo, as queixas contra a polícia chegaram a 404 casos - 197 envolvendo a Polícia Civil, e 205, a Militar. Na Grande São Paulo foram 124 denúncias, 72 delas contra a PM. No interior, a polícia de Campinas recebeu o maior número de queixas: 58, sendo 35 contra os policiais militares.Santos, Bauru, Sorocaba, São José do Rio Preto, São José dos Campos e Ribeirão Preto também estão relacionadas entre as cidades que mais receberam denúncias da população.O assessor jurídico da ouvidoria, Carlos Abrão, explicou que, por determinação do ouvidor Fermino Secchio, a partir do segundo semestre o relatório passou a separar as ocorrências por região."Nós mandamos as denúncias para as chefias das duas polícias, na capital e no interior, e para as corregedorias. Fiscalizamos a apuração, cobramos os resultados e informamos o que foi feito para as pessoas que nos procuram", disse Abrão.As corregedorias têm prazo de 30 dias para dar uma resposta sobre a denúncia. Na maioria das vezes, pelo volume das queixas, o prazo é aumentado.Delegados da Corregedoria da Polícia Civil e os oficiais da Corregedoria da PM informaram que nenhuma denúncia é deixada de lado.Além de mandar investigar as denúncias por telefone e em sua sede, a ouvidoria faz um trabalho de "checagem" do que é publicado em jornais e revistas e divulgado pelas emissoras de rádio e televisão."Nosso objetivo é permitir que as pessoas sejam bem atendidas nas corporações policiais, e quando são maltratadas devem denunciar os culpados para que sejam punidos", declarou o assessor.De janeiro a setembro, a ouvidoria recebeu 1.269 denúncias contra o trabalho dos policiais em São Paulo. Na Grande São Paulo, foram 385.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.