Horário de verão traz economia de R$ 400 milhões

Redução média no consumo de energia dos Estados participantes é de 4,6%; entre as famílias, economia chega a 10%, afirma especialista

Teresa Dias e Larissa Fafá, Especial para o Estado

19 Outubro 2013 | 09h05

SÃO PAULO - A previsão de economia gerada pelo horário de verão neste ano é de R$400 milhões, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Serão 119 dias (de 20 de outubro a 16 de fevereiro de 2014) com uma hora adiantada nos relógios. A medida alcança as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. O Estado do Tocantins entrou em 2012, mas ficou de fora neste ano.

Em termos absolutos, São Paulo é o Estado que tem a maior expectativa de redução de demanda de consumo de energia. Proporcionalmente, fica em quinto lugar, ao lado do Rio de janeiro (4,7%).

De acordo com os dados da ONS, é esperada uma redução geral de 4,6% da demanda de energia entre os Estados participantes. Para o professor de Economia e Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Samy Dana, a redução esperada leva em conta grandes indústrias e a economia chega a dobrar na conta de luz das famílias. "O valor do consumo nas casas brasileiras chega a diminuir 10% apenas com o horário de verão, pois o uso da energia é bem menor", diz.

O ex-presidente da Eletropaulo Paulo Feldmann, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo (USP), afirma que o horário de verão tem maior relevância do que se pensa. "Parece uma pequena economia, mas é muito importante, pois a energia é bem escasso e estratégico". Ele também lembra que o horário de verão gera outras economias, como a de lâmpadas, além de defender que a medida tenha uma duração maior. "Na minha opinião, deveria ter no mínimo cinco meses, pelos benefícios que traz", assinalou.

Mais conteúdo sobre:
Horário de verão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.