Horário gratuito: Lula destaca obras e Alckmin promete melhorias na educação

Os candidatos à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB) mantiveram seus programas eleitorais gratuitos deste domingo longe das críticas recíprocas e focaram em realizações e propostas de governo.Lula, que concorre à reeleição, destacou em seu programa as obras realizadas durante sua gestão em diversas regiões do País. No programa divulgado na hora do almoço - tanto em cadeia de rádio quanto de TV -, o presidente, assim como seu adversário, abriu seu programa com uma homenagem aos professores. "Quero mandar forte abraço a todos os mestres brasileiros. O mais poderoso instrumento para um Brasil mais justo", comentou, acrescentando que a educação terá prioridade total em seu eventual próximo governo.Em relação à região Norte, o programa destacou a ampliação de 40 mil empregos no pólo industrial de Manaus, a construção da ponte entre o Brasil e o Peru, e a ampliação da usina hidrelétrica de Tucuruí, entre outros. Na região Nordeste, foram citados a modernização de estradas, portos e aeroportos. Na Centro-Oeste, os projetos de geração de energia e as obras para o escoamento da produção foram as principais realizações citadas. Já na região Sul, o destaque ficou para os incentivos à recuperação da indústria naval e a recuperação de estradas. O programa chamou ainda a atenção para a multiplicação em 19 vezes do emprego na região Sudeste e a modernização de aeroportos e gasodutos de Campinas e Vitória, além da recuperação da rodovia Fernão Dias entre São Paulo e Belo Horizonte.Lula garantiu que diversas obras já estão com recursos garantidos e serão iniciadas "nos próximos meses". Ele citou, entre outras, o pólo siderúrgico do Ceará e as hidrelétricas do Madeira e de Belo MonteFoco na educaçãoAlckmin, por sua vez, aproveitou o Dia do Professor para detalhar seus projetos para a área de educação. O candidato prometeu aumentar o número de escolas que oferecem ensino em período integral e a ampliar os cursos de ensino profissionalizante em todo o País.Segundo o programa, toda a criança de seis anos vai estudar cinco horas por dia e haverá investimentos na capacitação de professores. "Fiz como governador, vou fazer como presidente". Na única referência indireta ao candidato adversário, o programa destacou que Alckmin seria o presidente certo para melhorar "o escândalo, as muitas promessas e o pouco trabalho".O programa destacou que Alckmin teria capacidade para o projeto porque comandou como ex-governador de são Paulo a maior rede de ensino do País, com 260 mil professores e 6 milhões de alunos. Segundo o programa, seu governo teria implantado mil novas escolas, reforçado a merenda escolar, distribuído 27 milhões de livros e implantado laboratórios de informática em "quase todas as escolas".Sem a citação de qualquer valor em dinheiro, também foi comentado que 55 mil professores teriam comprado computadores com ajuda do Estado e o fato de o governo do Estado de São Paulo ter investido para que eles completassem o ensino superior. "Hoje todos os professores efetivos contam com curso superior".Aproximando-se da temática do programa de seu adversário, Alckmin também voltou a repetir que quer transformar o Brasil em um grande canteiro, com obras no setor de estradas, saneamento, moradias populares e urbanização de favelas nas grandes cidades. Seu programa voltou a prometer mais emprego na construção, ampliação da bolsa-família, redução de impostos, mais restaurantes populares e "remédio de graça para quem não pode pagar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.