Hospital de campanha das Forças Armadas é montando em Itajaí

Atendimento, que só é feito após encaminhamento das unidades municipais de saúde, começou nesta segunda

Agência Brasil,

01 de dezembro de 2008 | 16h19

Está funcionando desde a manhã desta segunda-feira, 1º, no trevo Itajaí-Ilhota um hospital de campanha montado pelo Ministério da Defesa para atender os desabrigados da região do Vale do Itajaí. O horário de atendimento é das 8 às 16 horas. Segundo o major-brigadeiro Raul José Dias, serão atendidas somente as pessoas encaminhadas pelos centros de triagem das unidades de saúde dos municípios atingidos.   Veja também: Lula pede estudo para elevar saque do FGTS Saiba como ajudar as vítimas da chuva IML divulga lista de vítimas identificadas Repórteres relatam deslizamento em Ilhota  Mulher fala da perda de parentes em SC Tragédia em Santa Catarina  Blog: envie seu relato sobre as chuvas  Veja galeria de fotos dos estragos em SC   Tudo sobre as vítimas das chuvas     Cerca de 50 tendas, com 30 leitos, e capacidade de atender até 400 pessoas por dia foram montadas no local. Uma equipe de 40 médicos da Força Aérea Brasileira faz o atendimento nas especialidades de ginecologia, ortopedia, odontologia, pediatria e clinica médica. O hospital também dispõe de farmácia, aparelhos de raio X e ultra-som, laboratório clínico e uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para casos que se agravarem durante o atendimento.   "A idéia é que o hospital de campanha funcione como uma reserva estratégica para aliviar os serviços de emergência dos hospitais da região", disse Dias. Segundo ele, "nessas unidades terão prioridade as vítimas de soterramento ou que sofreram ferimentos em conseqüência da chuva. A montagem da estrutura envolveu o trabalho de 100 pessoas, incluindo o restaurante, com capacidade de servir 200 refeições para as equipes e para os internos.   Clayton de Souza/AE   O hospital levou 10 horas para ser montado e só será desativado quando a situação estiver normalizada. Jose Camargo, morador da região, foi um dos primeiros atendidos no hospital. A mulher dele, Marlene Camargo, disse que ele passou pelo postinho de saúde e foi encaminhado para o hospital.   "Nunca tinha visto essas coisas, só em filme, mas meu marido foi atendido muito bem. Agora ele está lá dentro em observação naquela tenda. Agora eu vou para casa ver minha filha pequena e depois volto para buscar ele".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.