Hotel histórico de Santos é tombado

Considerado cartão-postal da Praia do Gonzaga, o Atlântico, de 1928, teve parte de seu prédio preservada

Rejane Lima, SANTOS, O Estadao de S.Paulo

08 Julho 2009 | 00h00

Cartão-postal da Praia do Gonzaga, o três-estrelas Hotel Atlântico teve parte de seu prédio tombado como patrimônio santista. Depois de um processo que levou quatro anos, o Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos (Condepasa) decidiu que a fachada, a altura, o telhado, o hall de entrada, a portaria, o alpendre e oito painéis de azulejo deverão ser preservados. Com isso, o hotel ganha isenção de IPTU e apoio para manter viva a lembrança de Santos da década de 1920.Inaugurado em 1928, o prédio em linhas neoclássicas foi sendo ampliado ao longo dos anos. Teatro e cassino começaram a funcionar antes, em 1922. "O processo foi trabalhoso porque o imóvel é grande (7.289 metros quadrados). Tudo foi vistoriado, fotografado", explica a presidente do Condepasa, Eliane Elias Mateus, que destaca a importância arquitetônica do prédio na paisagem da orla.Proprietário do Atlântico desde 1994 - mas não do imóvel -, José Lopez Rodriguez, o Pepe, comemora o tombamento. "Foi bom. Esse prédio tem muita história, é um marco. Tem muita gente que vem aqui para matar saudade. No mês passado, veio um casal de São Paulo que tinha passado a lua de mel aqui e voltou para comemorar as bodas de ouro", conta.A advogada Naragilda Ferraz Cereda, de 67 anos, frequenta a cidade há 30. E sempre fica no Atlântico. "Aqui eu conheço todo mundo", afirma ela, que chegou ao hotel no domingo acompanhada do marido, da neta e de uma amiga dela. Vão ficar uma semana. "Venho pelo menos duas vezes por ano."NÚMERO 350O hotel tem preservada a mobília original no quarto 350, como forma de resgatar, ainda que pouco, a história do lugar, que enfrentou alguns revezes. "Na década de 70, ele ficou fechado por oito anos e isso deteriorou muito o prédio", diz o proprietário Pepe. Entre outras histórias, ele conta que, durante a 2ª Guerra Mundial, o Atlântico cobria as janelas com cortinas negras, para evitar que os navios alemães se orientassem por suas luzes em um possível ataque noturno. Dessa época também datam os painéis de azulejo igualmente tombados, restaurados em 2005.Com cinco andares e 120 quartos, o Atlântico dá certo ar nostálgico à movimentada esquina das Avenidas Ana Costa e Presidente Wilson - e costuma lotar na alta temporada. As diárias, com café da manhã, varia entre R$ 166 e R$ 364.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.