Hotel para os festeiros da Augusta

Estabelecimento, previsto para abrir dia 21, quer atrair frequentadores das casas noturnas da região com descontos

Gilberto Amendola, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

Se deu no New York Times, deve ser verdade. Em recente reportagem, publicada pelo jornal americano, a chamada "baixa Augusta" (aquela que aponta para o centro da cidade) foi considerada o point mais interessante e quente da noite paulistana. Bares e casas noturnas que se instalaram por lá, em um processo que já dura mais de dois anos, conseguiram ofuscar os velhos "inferninhos" e a tradicional prostituição. Em consequência disso, empresários começaram a arquitetar projetos para capitalizar a revitalização da rua. O mais curioso deles é o do Linson Augusta Hotel.

O hotel, localizado no número 440 da Rua Augusta, vai inaugurar um novo conceito no próximo dia 21. "Ele vai acompanhar essa nova diretriz da rua. Vamos transformá-lo em um espaço cultural - para lançamento de livros, leituras de peças de teatro e exposições. Além disso, queremos esse hóspede que mora em regiões mais distantes de São Paulo ou do interior do Estado e vem para a Augusta curtir uma balada. Em vez de se arriscar no trânsito ou infringir a lei seca, a pessoa pode dormir em um hotel diferenciado, de qualidade", comenta o escritor, ator e empresário Wladimir Soares, que já foi proprietário do Spazio Pirandello, importante polo cultural da Rua Augusta nos anos 80.

A atriz e sócia do hotel, Cíntia Chaves, conta que a mudança foi atural. "Nós já somos um hotel conhecido por hospedar grupos de teatro e atores que estão em temporada em São Paulo. Por isso, também temos um restaurante preocupado com uma alimentação mais leve e equilibrada, ideal para quem precisa subir no palco e enfrentar uma plateia."

PARCERIA

Para os baladeiros que moram longe, a grande novidade é a parceria que o hotel está fechando com as casas noturnas e os bares da Augusta e do entorno. Quem apresentar uma nota ou um comprovante de consumo de casas como Studio SP, Vegas, Z Carniceria, Inferno (todas na Augusta) ou de baladas nas redondezas, como Exquisito e Sonique (ambos na Bela Cintra), Volt (Haddock Lobo) e Astronete (Matias Aires) terá um desconto de 20% na diária (que varia de R$ 110 a R$ 198).

Além disso, a hospedagem no Linson também dará direito a pequenos "mimos" na balada. "Ainda estamos acertando com as casas, mas quem ficar hospedado aqui vai ter descontos na entrada ou até ganhar um drinque como cortesia", completa Cíntia.

O grafiteiro e artista plástico Eduardo Kobra, conhecido pelos painéis espalhados por São Paulo, já começou a pintar o saguão do hotel. "Vou fazer o desenho da Avenida São João e dos arredores da Rua Augusta como ela era entre os anos 50 e 60", diz o artista. A longo prazo, a proposta é que cada um dos 64 quartos seja assinado por um artista plástico ou grafiteiro diferente. O restaurante está sendo convertido em um bistrô, onde, ao menos uma vez por mês, uma personalidade das artes será chef por um dia.

Na estreia do espaço, Wladimir Soares vai fazer o lançamento do seu livro/agenda sobre o compositor Adoniran Barbosa. No mês de outubro, já estão programadas várias leituras dramáticas com jovens autores de teatro.

O designer Fernando Lopes Vieira, de 33 anos, morador da Parada Inglesa, na zona norte de São Paulo, achou a proposta excelente. "Desde que não enfiem a faca, eu acho legal. O importante é oferecer, além de pernoite, alimentação e conforto." O advogado Fabiano Ferreira, de 28 anos, morador de Santos, segue a mesma linha. "Se vou para a balada em São Paulo, preciso dormir por aí. Nem sempre é bom incomodar os amigos ou ficar nesses hotéis suspeitos. Se o lugar for bom e barato, vou frequentá-lo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.