Hotel popular será inaugurado em dezembro no Rio

O primeiro hotel popular do Rio, destinado a hospedar trabalhadores que pernoitam nas ruas do centro por falta de dinheiro para a condução de volta para casa, já tem data prevista para abrir as portas: o mês de dezembro. O anúncio foi feito pela Secretaria de Ação Social, responsável pelo projeto. A diária sairá a R$ 1, e o hóspede receberá ainda um kit-higiene, com pasta e escova de dente, toalha e lençol.O hotel funcionará no prédio que hoje abriga o 13º Batalhão de Polícia Militar, na Praça Tiradentes. Serão quatro andares, os três primeiros dedicados aos dormitórios e banheiros - parte deles será adaptada para deficientes físicos. A obra custará R$ 958.550. "Não é um hotel para mendigos. É para as pessoas que ainda não criaram laços emocionais com a rua, que trabalham, e se vêem na rua por uma circunstância", afirmou o subsecretário de Ação Social, Ricardo Bittar.De acordo com Bittar, as pessoas que não criaram "laços emocionais" com a rua são aquelas que circulam ainda com roupas limpas, conservam seus sapatos, e não se reconhecem como mendigos. "Temos que agir antes que esse cidadão perca a auto-estima", diz o subsecretário. Bittar calcula que o Estado irá gastar R$ 6 por pessoa diariamente. "Num abrigo convencional, para onde são levados aqueles que já têm laços com a rua, nós gastamos R$ 40, R$ 50", compara.O subsecretário garante que não há risco de o estabelecimento ser usado como "motel popular". Homens e mulheres ficam divididos por alas - 107 leitos masculinos e 70 femininos. Todos os dormitórios são individuais. O local também será monitorado por sistema interno de câmeras. A administração do hotel ficará a cargo da Associação Brasileira de Indústria Hoteleira.O hotel popular abrirá as 20 horas, sem necessidade de inscrição prévia. Ganha o quarto quem chegar primeiro. O hóspede precisará dos documentos de identidade e preencherá um cadastro. Ele será fotografado digitalmente todas as noites. A diária encerra-se às 8 horas do dia seguinte, com direito a café da manhã. A idéia da secretaria é usar o espaço também para divulgar campanhas institucionais, como as antitabagistas ou as de prevenção à aids.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.