Ibama quer mudar lei para ampliar multas ambientais

Após anunciar cinco multas contra a Samarco, de R$ 250 mi no total, instituto quer mudar legislação para aplicar valores mais altos 

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

14 Novembro 2015 | 17h14

Depois de anunciar cinco multas à Samarco, totalizando R$ 250 milhões, pelos danos causados ao meio ambiente, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) quer uma mudança na legislação para permitir multas ambientais mais altas.

"Cada auto de infração administrativa tem um teto de R$ 50 milhões. Isso é pouco para inibir a negligência das empresas. Vamos induzir mudanças legislativas para abrir o limite de autuação e combater esse tipo de catástrofe", disse Luciano Evaristo, diretor de Proteção Ambiental do Ibama.

Segundo Evaristo, as autuações só estão começando. "As infrações visíveis já tinham materialidade suficiente para que aplicássemos essas multas de R$ 250 milhões. Mas vamos quantificar todos os danos ambientais e encaminhar ao setor jurídico para que o ressarcimento seja exigido."

De acordo com ele, o Ibama montou uma sala de crise com especialistas em diversos setores para avaliar o dano ambiental. "Os autos de infração são brinquedo perto dos valores a que chegarão os custos de restauração."

Mais conteúdo sobre:
IbamaSamarco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.