Ideia do Império só saiu do papel há dois anos

Pensada pela primeira vez na época do Brasil Império, a transposição do Rio São Francisco só começou a sair do papel há pouco mais de dois anos. A primeira frente de trabalho foi comandada pelo Exército, quando ainda estavam em curso licitações bilionárias para as empreiteiras privadas participarem da obra.

, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2010 | 00h00

Polêmica, a transposição enfrentou a greve de fome do bispo de Barra (BA), dom Luiz Flávio Cappio, e chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF), que mandou suspender as ações que paralisavam a construção dos canais. Também houve críticas do Tribunal de Contas da União (TCU). A ordem de Lula em todos os momentos, mesmo quando se dispôs a negociar com o bispo, foi avançar com a obra a ponto de torná-la consumada até o início do mandato de seu sucessor.

No final de 2007, o então coordenador da transposição e atual ministro de Integração Nacional, João Santana, dizia: "Lula precisa inaugurar o eixo Leste e deixar pelo menos 50% do eixo Norte feito para tornar o projeto irreversível". O cronograma atrasou. Lula não vai inaugurar a obra, mas ela avançou o suficiente para não ser mais abandonada.

O alto custo da água segue sendo o ponto mais polêmico. Estimado em R$ 0,13 por 1.000 litros de água por seus defensores, o custo pode chegar a quatro ou cinco vezes esse valor - ainda inferior ao custo da água fornecida por carros-pipa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.