Identificação dos corpos não tem prazo para terminar, diz FAB

Responsáveis explicaram aos familiares porque eles não foram chamados para fazer o reconhecimento visual

Agência Estado,

14 de junho de 2009 | 18h48

A Força Aérea Brasileira (FAB) informou neste domingo, 14, que os trabalhos de identificação dos corpos resgatados do voo 447 da Air France estão em andamento e não há previsão de término para as atividades.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

videoSubmarino francês no resgate à caixa-preta

video Vídeo: Operação de resgate

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo

 

Para assegurar resultados confiáveis e encontrar elementos que auxiliem na descoberta das causas do acidente, a FAB explicou que é necessário respeitar todas as etapas de procedimentos para cada um dos corpos encontrados. Além disso, foram solicitados os prontuários de identificação civil das vítimas às Secretarias de Segurança Pública de diversos Estados.

 

Em reunião com familiares de duas vítimas do acidente aéreo neste domingo, o secretário-executivo da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco, Cláudio Lima, o superintendente regional da Polícia Federal, Paulo de Tarso Teixeira, e o gerente-geral de Polícia Científica, Francisco Sarmento, explicaram os motivos técnicos que impossibilitam os familiares de fazer a identificação dos corpos e dos pertences colhidos.

 

De acordo com eles, o estado em que se encontram os corpos "não garante que uma eventual indicação positiva por parte dos familiares seja conclusiva". Além disso, o reconhecimento visual dos corpos, isoladamente, não tem valor legal, pois seria necessário também encontrar provas técnicas.

 

A tentativa de identificar pertences e roupas das vítimas também não é possível, uma vez que duas ou mais pessoas poderiam estar com trajes semelhantes. Tais pertences, conforme nota da FAB, precisam ser lacrados e catalogados por peritos, como dispõem regras internacionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.