Identificado suspeito de assassinar médica

Polícia acusa adolescente de 14 anos de ser autor do disparo

Felipe Grandin, O Estadao de S.Paulo

18 de dezembro de 2008 | 00h00

A Polícia Civil identificou um garoto de 14 anos como suspeito de matar com um tiro a ginecologista Nadir Oyakawa, de 53 anos, na noite de sexta-feira, no Rio Pequeno, zona oeste de São Paulo. O adolescente foi reconhecido como autor do disparo pela sobrinha da vítima, que testemunhou o crime e viu uma fotografia do suspeito.O acusado já havia sido internado na Fundação Casa por tráfico de drogas e cumpria liberdade assistida. Agora está foragido. Dois supostos cúmplices também são procurados pela polícia, um de 13 e outro de 24 anos, mas a participação deles ainda não foi confirmada pelas testemunhas.Os três chegaram a ser detidos pela Polícia Militar logo após o assassinato. Eles voltaram à cena do crime para confirmar a morte da médica e chamaram a atenção de uma vizinha, que ligou para a polícia. Na ocasião, os PMs chegaram a mostrá-los para a sobrinha da médica, mas ela estava muito abalada e não os identificou. Os policiais, então, pegaram os nomes e tiraram fotos dos suspeitos. "O de 14 anos foi reconhecido 100% por fotografia, mas houve dúvida em relação aos outros. Precisamos fazer o reconhecimento pessoal, que é mais consistente", afirmou o delegado Marcos Carneiro Lima, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que conduz as investigações.Nadir foi morta durante uma tentativa de assalto na frente da porta da casa do irmão, na Rua Doutor João Vieira Neves, no Rio Pequeno, zona oeste. Ela tinha acabado de deixar um casal de sobrinhos quando foi abordada, por volta das 23h30, pelos bandidos. A médica se recusou a abrir o vidro de seu carro, um Zafira, e reagiu, buzinando para chamar a atenção dos vizinhos e gritando para que os sobrinhos não saíssem de casa. Um dos assaltantes se assustou e disparou contra ela. A bala atingiu o rim de Nadir, que não resistiu à hemorragia interna e morreu no local.A ginecologista trabalhava havia 18 anos no Hospital Pérola Byington. Era chefe do setor de laser e considerada uma das principais especialistas no Brasil no tratamento do HPV, doença sexualmente transmissível. Solteira e sem filhos, Nadir foi enterrada no sábado, no Cemitério de Vila Assunção, em Santo André, no ABC paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.