Idosa morre após receber sopa na veia no Rio de Janeiro

Mulher de 88 anos morreu na última segunda-feira, na Santa Casa de Barra Mansa, no sul fluminense

Fábio Grellet,

10 Outubro 2012 | 19h27

RIO DE JANEIRO - A aposentada Ilda Vitor Maciel, de 88 anos, morreu na última segunda-feira, 12 horas após receber sopa injetada na veia por um enfermeiro da Santa Casa de Misericórdia de Barra Mansa, no sul fluminense.

Ilda estava internada desde 27 de setembro, quando foi vítima de um acidente vascular encefálico que paralisou metade de seu corpo. Segundo familiares, a paciente estava melhorando. Ela era alimentada por meio de uma sonda que ficava no nariz. Simultaneamente, tomava soro na mão direita, onde eram injetados os medicamentos.

Na noite do último domingo, um enfermeiro - cuja identidade não foi divulgada - injetou no soro a sopa que deveria ser aplicada na sonda. Segundo uma filha de Ilda, Ana Rute dos Santos, a mulher começou a se debater. "Fiquei assustada e chamei a enfermeira", conta Ana. A paciente foi medicada, mas morreu 12 horas depois. Laudo emitido pela Santa Casa indica embolia pulmonar (obstrução de veias ou artérias ligadas ao pulmão) como causa da morte. No atestado de óbito, o Instituto Médico Legal considera indeterminada a causa da morte e afirma que ainda aguarda exames de laboratório.

O hospital admitiu o erro do funcionário, mas informou que ainda não sabe se a morte tem relação com a aplicação de sopa na veia da paciente. O caso está sendo investigado em um processo interno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.