Idosa que matou psiquiatra é absolvida

A 5ª Câmara Criminal de Justiça reconheceu hoje que Marilia Gonzaga Aranha Campos, de 80 anos, que em 1993 matou a tiros seu psiquiatra, Bernardo Blay Neto, de 74 anos, é penalmente irresponsável, por ter esquizofrenia. Com isso, foi confirmada a sentença da juíza Silvia Maria Facchina Sposito Martinez. A juíza tinha optado pela internação de Marilia em manicômio judiciário ou clínica particular, por 3 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.