Idoso acusado de assediar menina de 11 anos é solto

Advogado diz ser um 'absurdo prender um velhinho'; mãe da menina diz não sentir nenhum tipo de empatia

Angela Lacerda, de O Estado de S. Paulo,

12 de março de 2008 | 18h14

Acusado de ter molestado uma menina de 11 anos, o agricultor aposentado Otávio Antonio da Costa, de 88 anos, foi liberado ainda na noite de terça-feira, 11, do Centro de Observação do município de Abreu e Lima. Ele havia sido preso em flagrante na manhã da terça-feira, 11, por atentado violento ao pudor, durante o vôo 6310, da Ocean Air, que fazia o trecho São Paulo/Petrolina com escala no Recife. A mãe da menina disse não conseguir sentir nenhum tipo de empatia pelo agricultor, cuja idade avançada foi um dos argumentos do advogado para a soltura.    O juiz Paulo Carneiro, da Vara de Crimes contra a Criança e o Adolescente, acatou o pedido de liberdade provisória feito pelo advogado Célio Avelino, com base no argumento que o suspeito não oferece perigo à sociedade e pode responder ao processo em liberdade sem que isso interfira no seu andamento. "Achei um absurdo prender um velhinho, acredito que a menina em nenhum momento correu risco", afirmou Avelino, que foi procurado por familiares de Costa visando à sua soltura. "Acho que ele (o idoso) não sabia o que estava fazendo, estava desconectado." O advogado disse que esse tipo de processo deveria correr em segredo de justiça e criticou a exposição da imagem do agricultor pela polícia. Avelino se disse preocupado também com a estada de um homem de 88 anos, que exige cuidados, em um presídio superlotado. Por isso, não cobrou seus honorários pelo trabalho. "Foi a caridade da Semana Santa", brincou. Segundo ele, Otávio Antonio da Costa já se encontrava nesta quarta-feira, 12, em sua residência, no município de Casa Nova, no sertão baiano. De acordo com o depoimento da menina ao delegado, Costa apalpou os seus seios e alisou suas partes íntimas, sobre a roupa. A menina viajava sozinha e estava sentada na poltrona do meio, ao lado do agricultor. Ele ocupava a poltrona do corredor. Constrangida, a criança disse ter tido dificuldade para sair da poltrona, pois o agricultor teria colocado a perna para impedir sua passagem. Mesmo assim ela conseguiu e, chorando, contou à comissária de bordo o que estava acontecendo.   A mãe da menina afirmou que ela está sendo bem cuidada. "Ela está bem, foi acolhida pela escola no seu retorno e terá acompanhamento psicológico", disse. Por telefone, em conversa com a filha, a mãe disse ter perguntado por que a menina não "meteu a mão" no velho. "Ela respondeu que não sabia que podia (bater), ela aprendeu a ter respeito pelos mais velhos", afirmou a mãe, que não consegue sentir nenhum tipo de empatia pelo agricultor que supostamente molestou sua filha. "Falam da idade avançada, mas por que ele não pensou nisso antes? Minha filha pode ficar marcada pelo resto da vida", reagiu diante da notícia da soltura de Costa. "Ainda bem que minha filha teve reação, ensinei a todos os meus filhos a não deixar ninguém lhes pôr a mão neles, algo pior poderia ter acontecido."

Tudo o que sabemos sobre:
assédio sexualabuso de menores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.