Idoso morre e família é avisada 5 dias depois

O aposentado Pedro de Oliveira Ribeiro, de 75 anos, morreu de insuficiência respiratória no último dia 13 às 21 horas, mas até a terça-feira desta semana seus familiares acreditavam que ele continuava vivo. O Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), mantido pelo Estado, onde o aposentado estava internado desde 5 de fevereiro, não avisou a família. Durante cinco dias, o corpo ficou esquecido numa geladeira do hospital. Os familiares foram à polícia e pretendem processar o CHS por negligência. O atestado assinado pelo médico Nelson Antônio Garcia, confirma dia e horário do óbito. A diretoria de Apoio Técnico do hospital informou que o caso está sendo apurado. Pedro foi internado com complicações decorrentes de um câncer no estômago.Familiares o visitavam todos os dias. Segundo a filha Sônia de Oliveira Abrão, seu estado se agravou e no dia 9, já com o paciente respirando por aparelhos, as visitas foram suspensas. A partir do dia 10, a família, já conhecida dos funcionários, passou a buscar informações por telefone. No dia 12 Sônia ainda viu o doente quando levou laudos de exames pedidos pelos médicos. No último contato, dia 16, ela foi informada de que o quadro do paciente estava estável, mas Pedro já estava morto há 3 dias. Só no dia 18 os familiares foram chamados no hospital. O funcionário justificou por telefone que "a saúde do doente se agravara". A diretora técnica Marli Gimenez de Almeida informou que o caso está sendo apurado e, se houve negligência, os responsáveis podem ser punidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.