<i>El Pais</i> e <i>Público</i> destacam ´triunfo folgado´ de Lula

O site do jornal espanhol El Pais e do português Público destacam a larga vantagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas pesquisas de intenção de voto. "As pesquisas não dão nenhuma possibilidade a Alckmin (Geraldo Alckmin, do PSDB) frente à enorme popularidade do presidente", diz o El Pais. "Será ´Lula de novo´, como pedia o slogan de campanha à recondução de Lula ao Palácio do Planalto", afirma o Público, acrescentando que "tudo indica que será um triunfo folgado".A reportagem do principal jornal espanhol diz que as pesquisas mais recentes foram divulgadas no sábado, depois do debate na TV Globo na sexta-feira. No confronto televisivo, afirma o El Pais, os dois candidatos, "apesar de terem dedicado mais tempo a explicar seus programas de governo, mantiveram os ataques que caracterizaram o último mês de campanha".Segundo o Público, Lula conseguiu ampliar a liderança ao fazer um "mergulho mais à esquerda". "Com esse discurso, Lula retomou, e de uma assentada, os eleitores que em 1º de outubro tinham preferido a senadora Heloísa Helena e o ex-ministro da Educação Cristovam Buarque que, juntos, tinham ultrapassado os nove pontos nas urnas. E até o eleitorado que tinha migrado para Alckmin, devido à decepção sentida em relação aos escândalos de corrupção que marcaram o Governo PT em 2002-2006", diz a reportagem do jornal português.O texto ressalta, no entanto, que essa estratégia pode impor a Lula "constrangimento parlamentar para depois das eleições" e que "o compromisso à esquerda dificulta a reforma da Previdência, o compromisso à direita mina a reforma política estabelecida por Lula como prioridade e, na negociação dos interesses dos aliados, fica também em risco a reforma tributária."A reportagem do jornal português destaca também que o prenúncio da derrota de Alckmin fez com que os políticos do PSDB já tenham começado a alinhar estratégias de oposição, "debatendo a grande questão se deverão ou não dialogar com o esperado novo Governo PT".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.