Igreja de 120 anos desaba em Cravinhos

Templo tinha infiltrações e rachaduras

, O Estadao de S.Paulo

26 Fevereiro 2009 | 00h00

A Igreja São Benedito, primeira matriz de Cravinhos, na região de Ribeirão Preto, construída há mais de 120 anos, desabou na tarde de anteontem. Ficou em pé apenas a fachada, com a torre do sino, porta de entrada e duas janelas. Era um desabamento anunciado. A igreja, fechada há três anos, tinha infiltrações nas paredes, rachaduras e problemas no antigo telhado. Engenheiros da prefeitura estiveram no local ontem para avaliar a estrutura e decidiram que a fachada da igreja não será demolida. A matriz foi construída em 1888 pelo mineiro Francisco Rodrigues dos Santos Bonfim, um dos fundadores de Cravinhos, e foi tombada como patrimônio histórico, pelo município, em 1985. Está localizada no bairro Bela Vista, perto da antiga estrada de ferro, onde começou a história da cidade. "Era um patrimônio, mas deixaram cair", lamenta o prefeito José Francisco Matasso Ferdinando (PSDB). Segundo Ferdinando, o pároco Ronaldo Ferreira Vianna seria procurado nos próximos dias Ronaldo Ferreira Vianna, para que a igreja fosse restaurada ou reconstruída. O caso também poderia chegar ao Ministério Público Estadual (MPE), por causa do risco que corria uma casa vizinha. De fato, dois cômodos dela foram atingidos com a queda. A casa foi interditada pelos bombeiros - a paróquia alugou um imóvel e irá ressarcir os prejuízos materiais da família. Como o desabamento foi durante o dia, ninguém ficou ferido. "O padre não queria envolvimento político na reforma e não aceitava ajuda", diz o secretário de Serviços Urbanos, Itamar Bueno. Ferdinando era vice-prefeito na gestão anterior e confirma que seu antecessor tentou fazer um acordo com o pároco, sem sucesso. Procurado pela reportagem, padre Vianna não foi localizado. Ele tentava angariar recursos com os fiéis, mas não tinha prazo para executar a reforma. O prefeito aguarda um contato do padre, para decidir o que será feito no local. Brás Henrique RIBEIRÃO PRETO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.