Igreja histórica de Congonhas ameaça cair

Templo apresenta infiltrações e cupins; uma parte teve de ser interditada

Eduardo Kattah, BELO HORIZONTE, O Estadao de S.Paulo

27 Fevereiro 2009 | 00h00

Infiltrações e a ação de cupins ameaçam a estrutura de uma das principais igrejas barrocas da cidade histórica de Congonhas, na região central de Minas Gerais. Diante da ameaça de desabamento, o lado esquerdo do adro da Matriz de Nossa Senhora da Conceição precisou ser interditado recentemente. Erguido na primeira metade do século 18, o templo está em "situação muito precária", admite o diretor de Patrimônio Histórico do município, Maurício Geraldo Vieira. Uma parte da cimalha - nome que se dá ao acabamento em madeira do beiral do telhado, que envolve o lado externo da construção - cedeu, a porta lateral está danificada e a parede corre o risco de desabar. Com o eixo danificado, o sino não pode ser badalado. No interior da igreja, a preocupação maior é com o altar e com o coro, infestados por cupins. A estrutura do arco principal também estaria comprometida. Além disso, infiltrações tomaram conta das paredes e o teto apresenta buracos. "É preciso urgentemente fazer a restauração da alvenaria, da parte estrutural", observa Vieira. Segundo ele, a prefeitura prepara intervenções emergenciais para recuperar o sino, a porta lateral e parte da cimalha que cedeu até o período da Semana Santa. A restauração total da Matriz, porém, depende da captação de recursos. O diretor estima que a recuperação da parte arquitetônica e dos elementos artísticos demandaria investimentos de R$ 1,5 milhão a R$ 2 milhões. Datada de 1734, a Matriz de Nossa Senhora da Conceição apresenta várias fases do barroco, com destaque para o frontispício, atribuído a Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. A chefe do escritório do Iphan em Congonhas, Luciane Azambuja, disse que o órgão acompanha a situação da igreja e neste ano deverá disponibilizar verba para a sua recuperação. Vieira afirmou que a prefeitura e o Iphan pretendem estabelecer uma parceria para o desenvolvimento de um projeto completo de restauração. Das seis principais igrejas do município, erguidas num período compreendido entre o fim do século 17 e início do século 19, quatro foram recuperadas nos últimos anos. A Basílica de Bom Jesus do Matosinhos - em cujo adro estão os 12 profetas, confeccionados em pedra-sabão por Aleijadinho - e a Matriz de São José foram totalmente restauradas com recursos do Programa Monumenta, executado pelo Ministério da Cultura e financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Segundo o diretor de Patrimônio, a Igreja de Nossa Senhora da Soledade e a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, a mais antiga da cidade, construída por escravos no fim do século 17, também sofreram intervenções por meio de parcerias entre a prefeitura e a iniciativa privada. Além da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, a Igreja de Nossa Senhora D?Ajuda também apresenta diversos problemas de conservação, segundo Vieira. FRASE Maurício Geraldo Vieira Diretor do Patrimônio Histórico de Congonhas "É preciso urgentemente fazer a restauração da alvenaria, da parte estrutura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.