Igrejinha da Pampulha vai passar por reforma

Símbolo do conjunto arquitetônico da Pampulha, projetado por Oscar Niemeyer, e um dos mais conhecidos cartões postais da capital mineira, a Igreja de São Francisco de Assis terá de passar por um minucioso programa de restauração de sua estrutura.Sob a ação de intempéries, a área externa daigreja apresenta diversas rachaduras e descolamento das pastilhas que compõem orevestimento. O aspecto é de abandono daquela que é considerada uma obra-prima da arquitetura moderna no País.Nesta terça-feira, técnicos de uma empresa de engenharia contratados pela Prefeituraapresentaram um diagnóstico estrutural e um projeto de restauração da igreja. O custoestimado da reforma é de R$ 1 milhão.De acordo com o engenheiro José Eduardo de Aguiar, um dos responsáveispelo diagnóstico, a abóbada de concreto da Igrejinha da Pampulha (como é conhecida)apresenta problemas desde sua inauguração, em 1945.Segundo ele, as fissuras são causadas pela falta de juntas de dilatação adequadas e pelo tipo de revestimento aplicado na estrutura em intervenções anteriores. O principal objetivo da reforma é a abertura de uma terceira junta de dilatação.O diagnóstico conclui que as rachaduras são superficiais e restritas ao revestimento, que precisará ser removido. As pastilhas existentes serão reaproveitadas e o mosaico original será preservado.Construída nos anos 40, a obra causou polêmica na época pela ousadia. Em 1947, a igreja foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A construção também abriga obras de diversos artistas de renome, comoquadros, painéis e azulejos de Cândido Portinari.Segundo a Secretaria Municipal de Política Urbana e Ambiental, a captação de recursos para o início das obras está sob a responsabilidade da Arquidiocese de Belo Horizonte, que está em busca de parcerias com a iniciativa privada.A previsão é que a reforma dure oito meses, mas ainda não foi definido se a igreja ficará fechada durante esse período. A Igrejinha da Pampulha foi restaurada pela última vez em 1990, mas as intervenções foram realizadas na parte interna daconstrução.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.