Iluminação pública em SP vai voltar devagar

A iluminação pública, parcialmente desligada com o racionamento de energia, não deve ser restabelecida tão rapidamente, embora seja liberada a partir de 1º de fevereiro.O prazo mínimo estabelecido é de aproximadamente dois meses. Mas somente será possível cumprir esse cronograma se as prefeituras e distribuidoras fizerem um esforço em conjunto, liberando um número maior de profissionais para efetuar o trabalho.Isso porque, afirma o diretor do Departamento de Iluminação Pública (Ilume) da cidade de São Paulo, Newton Guaraldo, o processo de religamento da eletricidade é muito mais complexo do que o de desligamento.A iluminação da capital paulista levaria, portanto, pelo menos quatro meses para ser totalmente reativada, já que o trabalho de desligamento começou em junho e somente foi finalizado em setembro.Nesse período, 90 mil lâmpadas foram cortadas do sistema elétrico da cidade, representando apenas 18,4% de redução no consumo ante os 35% exigidos pelo governo. A redução proporcionou à Prefeitura uma economia média de R$ 1,1 milhão por mês ou R$ 7 milhões até dezembro nas contas de luz.Guaraldo afirma, contudo, que o planejamento para o restabelecimento da luz somente começa a ser realizado a partir da próxima semana.Mas ele adianta que alguns pontos exigirão troca de equipamentos, o que pode retardar o processo. "Vamos trabalhar para que a iluminação seja reativada o mais rápido possível, mas não é uma tarefa fácil."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.