IML aguarda DNA de meio-irmão para liberar corpo

O único parente direto vivo de Roger Ian Wright, um meio-irmão de Genebra (Suíça), aceitou vir a São Paulo, onde comparecerá ao Instituto Médico-Legal para ceder amostras de DNA que permitirão a identificação do empresário. Segundo o diretor do Instituto Médico Legal (IML) de Salvador, só um parente direto pode assinar a liberação do corpo. Como as vítimas ficaram praticamente carbonizadas - o resgate só encontrou o relógio do piloto intacto -, não há prazo para a conclusão dos trabalhos dos peritos. Haverá um sepultamento coletivo da família Wright no Cemitério do Morumbi, em São Paulo. A babá, Rosangela, deverá ser enterrada no Rio Grande do Sul.Outra família atingida foi a do presidente da Light, José Alquéres, que perdeu a filha, o genro e o neto. Alquéres vinha repetindo aos amigos recentemente que buscava reservar mais tempo para desfrutar com a família. Ele se ressentia de ter aproveitado pouco os últimos anos de vida dos pais.Transtornado, não quis falar com ninguém ontem. ELIANA FRAZÃO, ESPECIAL PARA O ESTADO, E ALEXANDRE RODRIGUES

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.