IML identifica os cinco primeiros passageiros do acidente da Gol

O Instituto Médico-Legal (IML) de Brasília divulgou na tarde desta quinta-feira, 5, a identidade dos cinco primeiros corpos identificados das vítimas do acidente do Boeing da Gol. São eles: Francisco das Chagas Moura Loyola e José Inácio Ferreira Trindade, ambos de Brasília; Átila Antonio Assad Rezende, de Goiás; Luiz Albano Vieira Custódio, do Espírito Santo e Élcio Luiz Gonçalves de Anchieta, do Maranhão. Os corpos já foram liberados para serem retirados pelos familiares.Ao todo 38 corpos foram retirados do local do acidente até esta quarta-feira. Desses, 18 chegaram ao IML de Brasília. A Aeronáutica informou que ainda nesta quinta os outros 20 corpos devem chegar ao local.BoletinsParentes das vítimas do acidente solicitaram à Gol que seja providenciado com urgência a entrega de cópias do Boletim de Ocorrência do acidente que derrubou o vôo 1907. Na manhã desta quinta, a companhia respondeu, em nota, ao grupo que encaminhará o documento a cada uma das famílias no prazo máximo de 48 horas depois de receber as cópias, que serão expedidas pela Polícia Civil do Estado do Mato Grosso.A nota complementa que "quanto ao pedido das famílias de que o documento seja autenticado, a companhia destaca que as 155 cópias receberão autenticação da autoridade policial e terão valor de documento original. A empresa destaca por fim que arcará com todas as despesas de obtenção desses documentos".Resgate difícilAs equipes de resgate continuam os trabalhos de buscas das vítimas nesta quinta. Dos 155 corpos das vítimas do acidente, apenas 38 haviam sido retirados até quarta-feira, 4. Já foram encontrados 55 corpos na mata, mas o trabalho de retirada é difícil porque os militares têm de abrir pequenas áreas na mata. O helicóptero precisa pousar em cada local desses para depois reunir os corpos em uma clareira.Mais 27 homens da Força Aérea Brasileira (FAB) chegaram na quarta à fazenda para fazer a substituição das equipes. Também está prevista a montagem de tanque de 10 mil litros de combustível. Com isso, haverá maior autonomia para os helicópteros, que não precisarão ir à Base Aérea de Cachimbo. Desde segunda-feira, a Aeronáutica teve de corrigir três informações passadas por militares responsáveis pela comunicação na Fazenda Jarinã. No primeiro caso, haviam dito que cem corpos tinham sido encontrados, número que depois se soube ser menor: 55.Matéria ampliada às 15h10 com informações sobre boletins de ocorrência

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.