Imperatriz contagia Sapucaí com Brunet e história de Ramos

Escola homenageou seu bairro de origem; Zeca Pagodinho, Beth Carvalho e até cachorro participaram da festa

Andréia Sadi, do estadao.com.br e Mônica Ciarelli, de O Estado de S.Paulo,

24 Fevereiro 2009 | 02h09

Os 3.500 componentes da Imperatriz Leopoldinense empolgaram a Marquês de Sapucaí com a homenagem da escola a Ramos, seu bairro de origem. Os membros - a maioria da própria comunidade- comemoraram na avenida os 50 anos da Imperatriz, uma das agremiações que mais acumula títulos na história do carnaval carioca. A musa Luiza Brunet, rainha da bateria, também teve motivos para comemorar: completa neste ano 25 anos de samba na avenida. Destes, só passou um ano longe da Imperatriz.     Veja Também:   Fotos da festa da Imperatriz na Sapucaí  Você é o jurado: avalie o desempenho das escolas   Blog: dicas para quem quer curtir e para quem quer fugir da folia Especial: mapa das escolas e os sambas do Rio e de SP    Saiba como chegar ao sambódromo        A alegria de antigos carnavais e inocência dos foliões do subúrbio carioca foi retratado com elegância pela carnavalesca Rosa Magalhães, que já coleciona campeonatos pela Imperatriz.   Crédito: Wilton Junior/AE   O samba, que agradou o público no Sambódromo, lembra de personalidades famosas que viveram no bairro, como Vila Lobos e Pixinguinha. Muito aplaudido, o cantor Zeca Pagodinho veio à frente do quarto carro alegórico da escola. A animação dos componentes da Imperatriz atraiu até um cachorro vira latas que acompanhou boa parte do desfile da escola. Ontem, um cachorro também invadiu a Sapucaí, durante desfile da Grande Rio.   A comissão de frente trouxe "Os Clóvis ou Bate-Bolas",  personagens do carnaval de rua do Rio. Fantasiados erguendo bolas prateadas, os membros simularam a festa nas ruas do bairro de Ramos.   Muito animada, a Ala "O Povo da Estação" representou  a população local, nos primórdios do bairro. "Viva o Carnaval da Imperatriz" foi o abre-alas.  Ubirajara e Verônica, mestre-sala e porta-bandeira, vieram a seguir. Em sua saia, ela trouxe o símbolo da escola: uma coroa.   A ala "Gentil Homem Banhista" veio em clima de praia. Os fantasiados exibem maiôs de época- em peça única e listrados- erguendo um guarda-sol azul e amarelo.   Crédito: Wilton Junior/AE   A escola lembrou os seus principais título em alegorias: duas esculturas de baianas foram puxadas na avenida pelo carro "O que é que a Bahia tem?", que resgatou o samba-enredo de 1980, o primeiro título da escola. O carro com Duque de Caxias lembrou o título de 1989 da agremiação " Liberdade, liberdade, abra as asas sobre nós".   A cantora Beth Carvalho, madrinha da bateria da Imperatriz, desfilou no carro em homenagem ao bloco Cacique de Ramos e, que trouxe ainda vários artistas do da velha guarda do bairro. "Tenho uma relação forte com a Imperatriz, tenho intimidade com a escola e fiquei feliz com a homenagem que estão me prestando", disse a cantora.   A escola veio com oito alegorias, 39 alas e o samba-enredo "Imperatriz...Só quer mostrar que faz samba também".   No ano passado, foi a sexta colocada do carnaval carioca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.