Imperatriz Leopoldinense homenageia Giuseppe Garibaldi

Sem chuva, mas com muito fogos, foi assim que a terceira escola da noite a desfilar, Imperatriz Leopoldinense, entrou no sambódromo carioca para defender o enredo "Um por todos e todos por um", sobre a história narrada pelo escritor Alexandre Dumas da passagem do italiano Giuseppe Garibaldi pelo Brasil. A escola desfilou desfalcada de sua musa, a modelo e empresária Luiza Brunet, que foi substituída, a contragosto, pela apresentadora Luciana Gimenez. A ex de Mick Jagger irritou alguns integrantes da escola logo no início da apresentação. Ao contrário das outras madrinhas, Luciana juntou-se à bateria somente em frente ao primeiro recuo, a fim de evitar a imprensa. A apresentadora da Rede TV recebeu vaias da platéia.Já o ator Murilo Rosa, que desfilou no carro abre-alas no papel do personagem principal do enredo, Giuseppe Garibaldi, empolgou os presentes desde a concentração. Ele respondeu com simpatia, jogando beijos e acenando para os fãs.O ex-jogador argentino Diego Maradona, que acompanhava o desfile dos camarotes, levou à loucura os diretores de harmonia da Imperatriz, responsáveis pela cronometragem da apresentação da escola. Além de atrair dezenas de fotógrafos e cinegrafistas que queriam registrar sua presença, o jogador, simpático e sorridente, fez questão de cumprimentar todos os admiradores que se aproximavam da grade que cerca a Passarela do Samba. Com isso, as alas tinham dificuldades de desfilar e os diretores gritavam, desesperados, tentando desimpedir o caminho. Maradona assistiu a boa parte do desfile da Imperatriz ao lado do casal Marília Gabriela e Reynaldo Gianecchini.O carnaval da Imperatriz Leopoldinense, organizada pela Carnavalesca que mais ganhou na Marquês de Sapucaí, Rosa Magalhães, com oito vitórias levou para a avenida mais de 4 mil componente, divididos em 32 alas e 7 carros alegóricos.Detalhes do desfileA comissão de frente da escola trouxe guerreiros com cavalos, que puderam caminhar pela avenida graças a armações com rodas na estrutura. Como uma segunda comissão de frente, a ala da Corte Francesa faz uma coreografia pela avenida. Embora econômico em alegorias, o carro abre-alas da Imperatriz Leopoldinense criou um bonito efeito pelo uso das cores rosa e violeta e através de grandes lâmpadas, que reproduzem um lustre.Tripés, alegorias menores do que carros, mostraram bonecos com cabeças grandes que remetem ao Carnaval de Nice, cidade natal de Garibaldi.A bateria da Imperatriz, orquestrada pelo Mestre Jorjão pela primeira vez, deu um show a parte. Os 300 componentes realizaram paradinhas e se agacharam em frente ao Setor 7. O público aprovou e aplaudiu muito.Na parte final do desfile, as alas com cores amarelo e laranja, inclusive das baianas, tomaram conta da avenida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.