Imprensa argentina amplia espaço para eleições brasileiras

A pouco mais de um mês para as eleições, os dois principais jornais da Argentina, La Nación e Clarín, começam a ampliar o espaço dedicado à cobertura do pleito no Brasil.O primeiro publicou nesta segunda-feira, 28, uma página sob o título: "A lulamania apodera-se do Brasil". O La Nación diz que a campanha no País entrou na reta final "com poucas surpresas" e, "longe da lulafobia de quatro anos atrás e dos escândalos de corrupção, as pesquisas prevêem a vitória de Lula no primeiro turno".Apesar da preferência eleitoral Lula demonstrada pelas pesquisas, continua o La Nación, "uma análise mais profunda sobre Brasil revela que o País ainda tem enormes problemas pendentes". Dentre eles, o jornal cita a reforma política, pela qual se reduziria a corrupção. "Hoje, o país tem duas realidades simultâneas: instituições sólidas, de Primeiro Mundo, e grandes esquemas de corrupção que parecem saídos de um país caribenho de meados do século passado", opina, completando que "somente no último escândalo, de venda superfaturada de ambulâncias, quase 110 dos 530 deputados receberam subornos".O La Nación também cita o "tamanho do estado" como outro "dos enormes problemas brasileiros", assim como "conseguir sair do assistencialismo", além da violência. Para concluir, o jornal opina que "depois de consolidar a estabilidade econômica em seu primeiro mandato, a dimensão política da biografia do sindicalista metalúrgico que chegou à presidência dependerá em boa parte do destino" que Lula dê a estes grandes desafios.Já o Clarín dividiu o espaço de uma página com as eleições e a divulgação de gravações no Brasil sobre tráfico de armas argentinas. O jornal tem acompanhado o trabalho da CPI que investiga o tráfico de armas ao Brasil, porque existe a suspeita de participação de militares argentinos. Em uma reportagem no pé de página, o jornal relatou o crescimento da campanha de Lula e afirma que o presidente "está mais próximo dos democratas socialistas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.