Imprensa britânica diz que Wikipédia de Jean Charles foi alterada de computador do governo

Página sobre brasileiro morto pela polícia em Londres em 2005 teria tido seção apagada e informações falsas publicadas para denegri-lo

AFP

07 Agosto 2014 | 09h58

LONDRES - A página da Wikipédia de Jean Charles de Menezes, o eletricista brasileiro morto em Londres por engano pela polícia britânica em 22 de julho de 2005, foi alterada de um computador do governo, revelou a imprensa do Reino Unido nesta quinta-feira, 7.

Um porta-voz da campanha "Justiça para Jean" afirmou à AFP que as alterações são intoleráveis. "É lamentável que haja pessoas empregadas pelo governo para fazer isso e nós queremos saber quem autorizou", disse Estelle du Boulay.

Uma investigação do Channel 4 revelou nesta quarta-feira, 6, que uma seção da página na Wikipédia que criticava a Comissão Independente de Denúncias sobre a Polícia (IPCC, na sigla em inglês), que trata do abuso policial e que investigou a morte de Jean Charles, desapareceu por obra de um editor anônimo que fez as atualizações de um computador do governo.

"O governo leva esses casos muito a sério", declarou um representante do Executivo ao Channel 4 em resposta às acusações. "Recentemente, lembramos aos funcionários de suas responsabilidades diante do Código de Serviço Civil e nos atentaremos de qualquer violação do código."

Segundo a imprensa britânica, em 2006 e 2008, a página de Jean Charles na Wikipédia foi alterada a fim de denegrir a imagem do brasileiro de 27 anos, com alegações falsas, como de que ele consumia drogas pesadas e de que sua situação no Reino Unido era irregular.

Duas semanas depois dos atentados de 7 de julho de 2005 contra o transporte público de Londres, que deixaram 52 mortos e mais de 700 feridos, outros extremistas tentaram repetir o massacre. Jean Charles foi morto por engano, quando viajava de metrô, confundido pela polícia com um dos autores do ataque malsucedido.

Mais conteúdo sobre:
Jean Charles de Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.