José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Imprensa mundial repercute oficialização do casamento gay no Brasil

Para o americano 'Washington Post', 'esforços de aprovar uma lei no Congresso Nacional têm sido frustrados por legisladores evangélicos conservadores'

Tiago Dantas, O Estado de S. Paulo

15 Maio 2013 | 15h05

Os principais jornais do mundo repercutiram a decisão anunciada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nessa terça-feira, 14, que obrigou cartórios de todo o Brasil a aceitar o registro de casamento de homossexuais. Na manhã desta quarta-feira, a notícia era a mais compartilhada pelos internautas do Le Monde, de Paris, à frente do texto sobre a decisão da atriz norte-americana Angelina Jolie de retirar os seios após saber que tinha 87% de chance de ter câncer. A manchete dizia: "Justiça exige o registro dos casamentos homossexuais."

O assunto repercutiu em outros países da Europa. O The Telegraph, de Londres, lembrou que, "como o Brasil é o maior país católico do mundo, o casamento gay é uma questão decisiva". O texto ainda dizia que o Brasil foi o terceiro país da América Latina a dar "sinal verde para o casamento de pessoas do mesmo sexo", após Argentina e Uruguai. O texto publicado no site do espanhol  El País afirma que, até então, nem todos os juízes aceitavam o casamento civil entre gays.

Nos Estados Unidos, o tema apareceu em dois dos maiores jornais do país. O New York Times declarou que a decisão do CNJ "abre caminho para que casais gays do maior país da América Latina possam casar". Ao relatar a decisão, a notícia publicada no endereço eletrônico do Washington Post afirmou que "os esforços de aprovar uma lei no Congresso Nacional têm sido frustrados por legisladores evangélicos conservadores".

O Clarín, de Buenos Aires, afirmou que o CNJ "decidiu acelerar os passos para a concretização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, já que falta uma lei, que ainda tramita no Congresso".

Mais conteúdo sobre:
casamento gay jornais mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.