Imprensa na Europa comenta as eleições no Brasil

O Financial Times diz que "os eleitores brasileiros geraram um revés inesperado para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva" cuja vitória no primeiro turno era amplamente prevista.O diário financeiro observa que a popularidade do presidente permaneceu forte durante boa parte da campanha eleitoral apesar de uma "série de escândalos de corrupção ao longo dos últimos meses". Isso, segundo o FT, foi causado em parte pelo fato da população mais pobre ser sido a mais beneficiada com o governo petista. "Entretanto, o governo tem sido criticado por não ter produzido o espetáculo de crescimento prometido por Lula antes de assumir o poder em janeiro de 2003", disse.Segundo o FT, embora a campanha do candidato do PSDB, Gerlado Alckmin, possa ter fracassado em tirar apoio do presidente Lula, "os próprios assessores do presidente podem ter colocado sua vitória, esperada há tempos, em perigo".O principal jornal espanhol, El Pais, diz que o presidente Luis Inácio Lula da Silva, "ficou muito próximo" de ser reeleito para um segundo mandato, mas terá que disputar um segundo turno.Já o diário financeiro Expansion, também da Espanha, afirma que diante do "entusiasmo" do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, com a realização do segundo turno, "Lula, cuja candidatura sofreu as conseqüências dos escândalos de corrupção, ainda não fez uma avaliação dos resultados que complicaram sua reeleição".O jornal britânico The Guardian afirma que o presidente brasileiro "foi forçado a enfrentar um segundo turno após uma série de escândalos de corrupção e éticos fazerem muitos eleitores se voltarem contra ele".Segundo o diário, "foi um tremendo revés para o presidente, que vinha sendo fortalecido por uma economia estável e seus sucessos em reduzir a pobreza".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.