Alberto Maraux / SSP-BA
Alberto Maraux / SSP-BA

Incêndio destrói três casarões no centro histórico de Salvador

Chamas foram debeladas durante a madrugada desta terça. Idoso que morava em um dos imóveis é considerado desaparecido. Área não era tombada, mas Iphan foi ao local avaliar os estragos

Paulo Roberto Netto e Heliana Frazão*, *Especial para o Estado

04 Setembro 2018 | 00h54
Atualizado 04 Setembro 2018 | 19h44

SÃO PAULO - Três casarões e seis lojas foram consumidos pelo fogo durante um incêndio que começou na noite da segunda-feira, 3, e somente foi debelado no início da madrugada desta terça, 4. Os imóveis atingidos ficam na Av. José Joaquim Seabra, mais conhecida como J.J. Seabra, centro comercial popular de Salvador, localizado na Baixa dos Sapateiros, centro histórico da capital baiana.  

Embora não haja confirmações sobre vítimas fatais, um idoso identificado como José Hunaldo Moura de Carvalho, de 85 anos, está desaparecido. Ele é o dono de uma serralheria que funcionava em um dos casarões, e onde, provavelmente o fogo começou. Um funcionário do estabelecimento disse que José Hunaldo mora no local, por opção, para evitar tráfego.

Os imóveis atingidos abrigavam lojas de confecções, bijuterias e a serralheria. Os estabelecimentos tiveram perda total. Segundo o Corpo de Bombeiros, foram necessárias mais de duas horas para debelar as chamas, que alcançaram em pouco tempo os imóveis mais próximos. Vizinhos ao local disseram que o fogo começou logo após as 22h, quando os bombeiros foram acionados.

Também ainda não se sabe o que provocou o incêndio. Somente a perícia irá determinar a causa. Um grupo estimado em 40 homens foi enviado ao local e teria evitado que as chamas, se espalhassem ainda mais, atingindo outros estabelecimentos existentes na região, devido à grande quantidade de material inflamável existente no local.

Durante todo o dia os bombeiros permaneceram na área, trabalhando no resfriamento do que restou. "É uma grande perda para o comércio da Baixa dos Sapateiros, justo num momento de crise e de grande dificuldade nas vendas para todos que atuam aqui", lamentou Ruy Barbosa,  presidente da Associação dos Lojistas da Baixa dos Sapateiros.    

Por meio de nota, o Instituto do Patrimônio Histórico Artísticos Nacional (Iphan) informou que enviou técnicos o local para acompanhar os trabalhos e avaliar os estragos, informou também que o imóveis atingidos, embora antigos, não são tombados como patrimônio.

“Os casarões que foram incendiados não são tombados individualmente e ficam fora da área tombada no Centro Histórico de Salvador. Ainda assim os técnicos do Iphan-BA já estão no local, por solicitação da Defesa Civil, dando apoio aos trabalhos, por serem imóveis históricos”, diz a nota.

O superintendente da Coordenadoria de Defesa Civil de Salvador (Codesal), Sóstenes Macedo, também afirmou que os casarões queimados não são tombados pelo Iphan, e acrescentou que está  avaliando a necessidade de demolir o que restou.  

A Baixa dos Sapateiros é uma das áreas mais simbólicas da Salvador antiga. Ganhou contornos de grande avenida em meados de 1800. O nome sugestivo deveu-se à grande concentração de artesãos de calçados naquela área . Seu declínio comercial começou no início dos anos 90, no século passado, principalmente por questões ligadas à segurança.

 

Mais conteúdo sobre:
Salvador [BA] incêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.